Início / Estudar / Doenças causadas pela água contaminada

Doenças causadas pela água contaminada

A fotografia mostra um dos graves problemas sociais que afeta milhões de brasileiros: a falta de saneamento básico. Inúmeras doenças são causadas pela água contaminada por dejetos humanos e de outros animais. Você saberia citar algumas delas? Já teve ou conhece alguém que contraiu alguma doença relacionada à água contaminada? Quais são os principais seres vivos que vivem nesse ambiente e podem provocar doenças? Neste capítulo vamos estudar as características de algumas doenças relacionadas à água: como são transmitidas, quais são seus efeitos sobre a saúde humana e o que podemos fazer para evitá-las.

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA

As doenças relacionadas à água contaminada são chamadas de doenças de veiculação hídrica e podem ser transmitidas de diferentes maneiras:

  • diretamente, pela ingestão de água contaminada com urina ou fezes (humanas ou de outros animais) contendo microrganismos que podem causar doenças {microrganismos patogênicos). Um exemplo de bactéria que pode ser transmitida pelo consumo de água contaminada é a Salmonella, que causa diarreia, cólicas e dores de cabeça em seres humanos.
  • provocadas pela falta de higiene pessoal ou pelo contato da pele e dos olhos com água contaminada. As pessoas podem ter contato com essa água brincando ou comendo alimentos que foram contaminados com ela.
  • por vetores (seres que transportam agentes causadores de doenças, como vírus e bactérias, por exemplo) que se reproduzem na água, como alguns mosquitos.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), no mundo, a cada oito segundos, morre uma criança devido a doenças relacionadas com a água. Por ano, o número de mortes devido a doenças relacionadas ao consumo de água não potável, falta de higiene ou falta de coleta de esgoto chega a cinco milhões de pessoas. Esses dados são preocupantes e servem para nos alertar sobre os cuidados necessários para evitar as doenças de veiculação hídrica.

Amebíase, giardíase e cólera

A amebíase é uma doença de transmissão hídrica. É transmitida por um protozoário conhecido por Entamoeba histolytica.

A giardíase tem como agente causador outro protozoário, conhecido por Giardia lamblia. Tanto os causadores da amebíase e da giardíase se instalam no intestino humano.

Os principais sintomas dessas doenças são diarreias, cólicas abdominais (dores de barriga), náuseas (vontade de vomitar), vômitos, emagrecimento e cansaço. No entanto, existem situações em que o indivíduo está com a doença, mas não apresenta sintomas (assintomático).

A falta de condições de higiene adequadas é a principal causa da disseminação tanto da amebíase como da giardíase.

A transmissão dessas doenças é feita pela ingestão de água ou de alimentos contaminados por fezes de pessoas ou de animais doentes.

A cólera é provocada por um microrganismo conhecido por vibrião colérico, o Vi brio cholerae.

Os sintomas aparecem subitamente, com diarreia intensa com aspecto de “água de arroz”. Além disso, pode haver vômitos que levam á desidratação e até à morte, se o doente não receber socorro médico. A cólera é uma doença que pode se espalhar rapidamente, gerando o que chamamos de epidemia (muitas pessoas doentes ao mesmo tempo em uma dada localidade ou região).

A transmissão ocorre pela ingestão de água contaminada por fezes ou vômitos de doentes com cólera e, com menor frequência, por comida contaminada.

A amebíase, a giardíase e a cólera podem ser prevenidas por hábitos simples de higiene, tais como:

  • lavar sempre as mãos com água e sabão;
  • usar somente água tratada ou, quando não for possível, ferver a água antes de usar;
  • proteger os alimentos evitando seu contato com moscas e baratas, pois elas podem ter passado por água ou fezes contaminadas;
  • comer somente alimentos bem cozidos;
  • evitar ingerir alimentos de procedência desconhecida, isto é, aqueles que você não sabe de onde vieram e como foram preparados.

Leptospirose

Essa doença é causada pela bactéria Leptospira sp, (do grego leptos = fino; spira = espiral), que é encontrada na urina de ratos infectados e penetra no corpo humano através da pele.

Quando ocorrem inundações, a urina de ratos presente em esgotos e bueiros mistura-se à água da enxurrada e à lama, transportando a bactéria, a qual pode contaminar as pessoas que entram em contato com essa água.

Os sintomas mais comuns são febre, calafrios, dor muscular e dor de cabeça, que podem ser confundidos com os sintomas da gripe. A leptospirose pode provocar hemorragias e comprometer o funcionamento dos rins e dos pulmões, podendo levar à morte.

Para prevenir a leptospirose, deve-se evitar o contato com a água de enchentes e/ou que possa estar contaminada com urina de ratos (poças de água, inundações etc.).

Dengue

Não é somente pelo contato direto com a água contaminada que podemos adoecer. A água limpa pode ser o lugar ideal para a proliferação de insetos que transportam e transmitem microrganismos patogênicos por meio de picadas. É o caso da dengue: o mosquito Aedes aegypti transporta os vírus que causam a dengue.

A transmissão da dengue não ocorre diretamente de uma pessoa para outra. Para que ela ocorra é necessário que a fêmea do mosquito (que é mais ativa durante o dia) se alimente com o sangue de uma pessoa contaminada e, depois, pique uma pessoa sadia.

O mosquito é o agente transmissor da doença e o microrganismo que ele transporta é o agente causador da doença.

A pessoa doente apresenta febre alta, dor de cabeça, dor no fundo dos olhos, dores nas costas e, às vezes, podem aparecer manchas vermelhas no corpo. A dengue pode se agravar quando uma pessoa que já teve a doença é picada novamente pelo mosquito transmissor. Nesse caso, ela pode apresentar sangramentos (hemorragia) em vários órgãos, diarréia e vômito: é a dengue hemorrágica, muito mais grave, que pode levar à morte. Sempre é necessário um acompanhamento médico para indicar o tratamento correto, pois a falta dele pode ser fatal.

A maneira mais eficiente de evitar a dengue é não deixar o mosquito transmissor nascer.

Febre amarela

Semelhante à dengue, a febre amarela também é causada por um vírus e transmitida por mosquitos.

febre amarela silvestre ocorre nas florestas, matas e áreas rurais, onde a doença é comum. A transmissão se faz por meio da picada de mosquitos silvestres (gêneros Haemagogus e Sabethes) infectados pelo vírus.

febre amarela urbana ocorre nas cidades e a transmissão, assim como na dengue, se faz por meio da picada do mosquito Aedes aegypti infectado pelo vírus amarílico. Os primeiros sintomas da febre amarela são: febres intensas, dores nas articulações, calafrios, náuseas e vômitos. Com a evolução da doença, tanto o fígado como os rins podem ser comprometidos. Além disso, podem ocorrer hemorragias, que devem ser tratadas imediatamente, pois podem provocara morte.

A vacina contra a febre amarela pode ser encontrada nos postos de saúde.

No Brasil, não há registro de surtos de febre amarela urbana há muitos anos, mas existem áreas onde ela ocorre com mais frequência (regiões de florestas e matas densas). Veja o quadro na página seguinte. Ao viajar para áreas de risco de contaminação, é indicado tomar a vacina.

A prevenção para a febre amarela deve ser feita da mesma forma descrita para a dengue: evitar a proliferação dos mosquitos.

Esquistossomose

A esquistossomose é uma doença muito comum no Brasil e é transmitida por vermes que vivem em água contaminada. Essa doença é popularmente conhecida como “barriga-d água”.

A esquistossomose é causada pelas larvas de um verme, o Schistosoma mansoni, ou esquistossomo.

Quando pessoas portadoras de esquistossomose evacuam em regiões próximas a lagoas, rios e represas, elas eliminam os ovos do esquistossomo junto com as fezes, contaminando as águas. Na água, os ovos eclodem, liberando as larvas, que se instalam em alguns tipos de caramujos, desenvolvem-se e se multiplicam. Ao crescerem, essas larvas deixam o caramujo e vivem livres na água. Quando pessoas entram em contato com a água contaminada, as larvas podem penetrar pela pele, causando coceira no local. Dentro do corpo, as larvas migram pelos vasos sanguíneos para o fígado e para o intestino, onde se reproduzem. As fêmeas depositam seus ovos no intestino, que são depois eliminados pelas fezes da pessoa, fechando o ciclo de vida do verme.

A esquistossomose é uma doença grave, que compromete o fígado e causa problemas na circulação sanguínea. Os principais sintomas são: febre, dores musculares e de cabeça, calafrios, fraqueza, falta de apetite, diarreias, vômitos, tonturas, emagrecimento e aumento do tamanho do fígado e do baço.

A prevenção pode ser feita das seguintes maneiras:

  • evitar contato com águas que tenham caramujos contaminados;
  • construir fossas para evitar a contaminação do ambiente;
  • avisar as autoridades sanitárias sobre a existência de caramujos;
  • exigir abastecimento de água tratada nas casas;
  • exigir tratamento de esgoto.

Segundo uma pesquisa do Banco Mundial e do Instituto de Medicina Tropical de Londres, se todos pudessem lavar as mãos adequadamente, 1 milhão de mortes relacionadas a doenças de veiculação hídrica seriam evitadas por ano em todo o mundo.

Resumo da aula

  • Algumas doenças de veiculação hídrica.
  • As maneiras de transmissão dessas doenças.
  • Amebíase, giardíase, cólera e leptospirose e como evitá-las.
  • Dengue e febre amarela: transmissão e prevenção.
  • Esquistossomose: transmissão e prevenção.

https://www.youtube.com/watch?v=6jwy4-29Wps

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não vai embora ainda!
Quer material pra estudar ou dar aula?
Inscreva-se grátis! 
Inscrever-se
Lembre-se, você poderá cancelar a inscrição a hora que quiser

Você é 
Professor(a)?

Tem um slide GRÁTIS em powerpoint pra você baixar agora. 
Baixar Slide

Compartilhe isso com um amigo