Fases do desenvolvimento embrionário humano

A observação do feto humano revela parte das fases do desenvolvimento embrionário humano. Trilhões de células descendem do zigoto e, apesar de geneticamente idênticas, executam papéis diferentes, em razão dos tipos de genes “ligados” e “desligados” em cada uma delas. Processos diversos governam a formação das diferentes estruturas do organismo. Antes de seguir com  leitura dê uma olhada no vídeo logo abaixo.

Reunidos, os cromossomos do espermatozoide e do ovócito constituem o material genético do novo indivíduo, com informações que orientam o desenvolvimento. Desenha-se um “projeto de construção” que participará do surgimento de um animal, semelhante a outros de sua espécie, mas com características que o tornarão único e distinto dos demais.

No desenvolvimento do embrião, de uma única célula originam-se, no adulto, todas as linhagens celulares, com grande diversidade de formas e funções, organizadas em tecidos e órgãos funcionando harmonicamente.

Segundo William Harvey: “As partes não surgem simultaneamente, mas em uma sequência contínua e ordenada”. Essa sequência é um padrão repetitivo e típico de cada grupo animal, baseado em informações contidas no patrimônio hereditário de cada um deles e resultado de um processo evolutivo que incorporou estruturas selecionadas durante milhões de anos.

A sequência dos eventos que conduz à formação de um indivíduo a partir do zigoto é conhecida por ontogênese (do grego ontos, ser, e genesis, origem) e é semelhante em todos os vertebrados. Os conhecimentos atuais de embriologia permitem alinhar essa sequência de eventos, que serão apresentados com ênfase no desenvolvimento dos cordados.

Veja também Desenvolvimento embrionário dos animais.

Tipos de ovos de cordados

  • O zigoto (ovo) dos cordados pode ser classificado de acordo com a quantidade e a distribuição de vitelo no citoplasma:O ovo oligolécito, comum em cordados não vertebrados, é muito pobre em vitelo. Também é encontrado na maioria dos mamíferos cujo embrião depende do vitelo apenas durante o deslocamento pela tuba uterina, após a fecundação, uma vez que, depois da nidação (implantação no útero), a nutrição embrionária é garantida pelo organismo materno pela placenta.
  • 0 ovo mediolécito tem maior quantidade de vitelo, irregularmente distribuído pela célula e concentrado mais em um polo que no outro. Também chamado ovo telolécito incompleto ou heterolécito, é comum em anfíbios. O ovo megalécito é repleto de vitelo, exceto no polo onde está o núcleo da célula. Também é conhecido como ovo telolécito completo, sendo característico de peixes, répteis e aves.

Oligolécito Heterolécito

Segmentação

A primeira etapa do desenvolvimento embrionário é a fase de segmentação (ou clivagem)caracterizada por uma série de divisões celulares consecutivas, em que as células resultantes dividem entre si o vitelo da célula-mãe. Nesse período, o embrião vive à custa do vitelo, e seu tamanho total permanece praticamente inalterado, pois é o volume de cada célula que se torna progressivamente menor.

As células embrionárias resultantes das primeiras divisões são os blastômeros (do grego blastos, germe, broto, e meros, parte). O embrião torna-se uma massa compacta de células, derivadas do zigoto, denominada mórula (do latim mórula ,amora). Logo em seguida, as células que compõem a mórula movimentam-se e passam a envolver uma cavidade interna cheia de líquido — a blastocele. É a fase do desenvolvimento embrionário conhecida como blástula.

clivagem

Em geral, quanto maior a quantidade de vitelo, mais restrita é a área de segmentação. Portanto, cada tipo de ovo apresenta um padrão de segmentação:

, Tipo de Tipo de ovo

segmentação

Ocorrência
Oligolécito Holoblástica igual Cordados não vertebrados mamíferos
Mediolécito Holoblástica

desigual

Anfíbios
Megalécito Meroblástica

discoidal

Peixes, répteis e aves

Gastrulação

Após a segmentação, ocorre a gastrulação, que leva o embrião a assumir uma organização tridimensional complexa.

A gastrulação do anfioxo inicia-se com o crescimento mais acelerado de um dos polos do embrião, sendo as células do outro polo invaginadas, ou seja, empurradas para dentro. Tal movimentação invade a blastocele e forma um tubo, conhecido como arquêntero (o intestino primitivo), que se comunica com o exterior por meio de um orifício, o blastóporo. O embrião com esse formato recebe o nome de gástrula (do grego gaster, ventre).

fases do Desenvolvimento embrionário humano

Em outros animais, como anfíbios e mamíferos, a gastrulação pode ser mais complexa.

Arquêntero: do grego arche, primeiro, e enteron, intestino.

FOLHETOS EMBRIONÁRIOS

Ocorrendo a gastrulação, as células do embrião separam-se em duas camadas denominadas folhetos embrionários (ou germinativos): a camada externa é o ectoderma (ou ectoblasto); a interna, o endoderma (ou endoblasto). Com o transcorrer do desenvolvimento, o arquêntero origina o revestimento interno da cavidade digestória; células do dorso do arquêntero diferenciam-se e formam o terceiro folheto embrionário, o mesoderma (ou mesoblasto), situado entre os outros dois folhetos.

ectoderma mesoderma endoderma arquentâmero

Animais que se desenvolvem de dois folhetos embrionários (como os cnidários) são diblásticos. Já os animais que se desenvolvem de três folhetos embrionários (por exemplo, artrópodes, moluscos e cordados) são triblásticos.

Na região dorsal do embrião, induzido pelo mesoderma subjacente, o ectoderma forma o tubo neural, que dá origem, nos vertebrados, ao encéfalo e à medula espinal, componentes do sistema nervoso central. Nessa etapa do desenvolvimento, o embrião passa a se chamar nêurula. O dorso do arquêntero origina a notocorda, que é o eixo de sustentação do embrião. Pra entender melhor essa fase veja a aula Organogênese e Morfogênese.

Tubo neural dorsal e notocorda são estruturas típicas dos urocordados, dos cefalocordados e dos vertebrados, que, em conjunto, formam o grupo dos cordados.

Em seguida, o mesoderma delimita as cavidades internas que formam o celoma — o qual, nos mamíferos adultos, permanece como cavidades corporais onde ficam os órgãos internos com finas membranas de revestimento: o pericárdio, a pleura e o peritônio, que revestem, respectivamente, o coração, os pulmões e os órgãos abdominais. Longitudinalmente, em toda a extensão, o mesoderma forma somitos, saliências que originam os tecidos musculares e parte dos tecidos conjuntivos.

Resumo de fases do desenvolvimento embrionário humano

Nesta aula nos vimo os seguintes assuntos:

  • Tipos de ovos de cordados
  • fase da segmentação ou clivagem
  • Como se da a gastrulação
  • Os folhetos embrionários humanos – ectoderme, mesoderme e endoderme.

Agora só falta você falar o que achou da aula fases do desenvolvimento embrionário humano.  Sua opinião é importante na construção desse site. Ajuda aí vai.

Fontes:
https://www.youtube.com/watch?v=dihBR-riAvg

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *