AulasBioquímica

Agonista e Antagonista: o que são, definição, tipos – Resumo

Um agonista é uma molécula que pode se ligar e ativar um receptor para induzir uma reação biológica. A atividade mediada por agonistas é oposta por antagonistas, que inibem a resposta biológica induzida por um agonista.

O nível  necessário para induzir uma resposta biológica desejada é referido como potência. A potência do agonista é derivada pela medição da concentração necessária para induzir metade da resposta máxima, chamada valor de EC50.

Portanto, os agonistas com maior potência terão menores valores de EC50. A potência é frequentemente calculada na indústria farmacêutica, pois a dosagem para medicamentos que agem como agonistas é dependente da EC50.

O diagrama abaixo demonstra a diferença entre os agonistas que ocorrem naturalmente, a potência dos agonistas do fármaco e a inibição dos efeitos através dos antagonistas.

Agonista e Antagonista: o que são, definição, tipos - Resumo

Tipos de Agonistas

Existem vários tipos, que incluem endógenos, exógenos, fisiológicos, superagonistas, completos, parciais, inversos, irreversíveis, seletivos e co-agonistas. Cada tipo de agonista exibe características diferentes e media uma atividade biológica distinta.

Agonistas endógenos e exógenos

Os agonistas endógenos constituem fatores internos que induzem uma resposta biológica. Alguns exemplos dessas moléculas incluem hormônios e neurotransmissores, que se ligam a receptores definidos e induzem uma resposta desejada.

Em contraste, os agonistas exógenos são fatores externos que se ligam a vários receptores e induzem uma resposta biológica. Um exemplo de um agonista exógeno, um fármaco, tal como a dopamina sintética, que se liga ao receptor da dopamina e desencadeia uma resposta análoga  da dopamina endógena.

Agonistas Fisiológicos

Os agonistas fisiológicos são aqueles que podem induzir a mesma resposta biológica; no entanto, eles não se ligam ao mesmo receptor.

Um exemplo desse tipo de agonista é a ativação do NF-kappa B por ambas as citocinas (Interleucina [IL] -6, IL-1 e fator de necrose tumoral) e estímulos ambientais (por exemplo, lipopolissacarídeos bacterianos) via sinalização através da citocina associada receptores e receptores de reconhecimento de patógenos, respectivamente.

Superagonistas

Um superagonista é capaz de desencadear uma resposta biológica que é maior do que o efeito gerado quando o agonista endógeno se liga ao receptor.

A forma mais comum de superagonistas são drogas. Por exemplo, o TGN1412 é um superagonista do CD28, resultando na ativação policlonal de células T e está associado ao risco de produção de citocinas patogênicas, se usado em altas doses.

Leitura sugerida: Sistema Imunitário

Agonista total versus parcial

São moléculas capazes de se ligar totalmente e ativar seu receptor cognato, induzindo, assim, a resposta completa capaz desse receptor.

Em contraste, os agonistas parciais também se ligam ao receptor cognato; no entanto, eles apenas induzem uma resposta parcial. São úteis para o tratamento e evitar as dependências de drogas, pois induzem um efeito similar, embora menos potente e viciante.

Um exemplo é o uso da buprenorfina como uma alternativa para os opiáceos (por exemplo, a morfina), uma vez que atua apenas parcialmente no receptor opioide, reduzindo assim a probabilidade de dependência de opiáceos.

Agonistas Inversos

Um agonista inverso liga-se ao mesmo receptor que um agonista; no entanto, exerce a resposta biológica oposta de um agonista. No entando difere de um antagonista, em vez de simplesmente inibir a resposta do agonista, a resposta oposta é induzida.

Agonistas Irreversíveis

São aqueles que formam uma associação permanente com um receptor através da formação de ligações covalentes. Alguns dos agonistas irreversíveis mais bem caracterizados são do receptor μ-opióide, como a naloxazona e a oximorphazona.

Agonistas Seletivos

São moléculas específicas de um receptor particular. Por exemplo, o IFN-gama é um agonista seletivo do receptor IFN-gama.

Co-agonistas

Um co-agonista requer a combinação de dois ou mais agonistas para induzir uma resposta biológica particular. Por exemplo, a ativação de macrófagos infectados para produzir óxido nítrico é dependente da ligação de ligantes bacterianos, IFN-gama e TNF, a seus respectivos receptores.

Referências

  • Workman LM, LaCharity LA e Kruchko, S. (2011). Noções básicas sobre farmacologia : Essentials para segurança de medicação. Elsevier Saunders: St. Louis, Missouri.
  • Yu XX e Fernandez HH. (2017). Síndrome de abstinência da dopamina: uma revisão abrangente. J Neurol Sci. 374: 53-55.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Bloqueador de anúncio detectado

Por favor, desative o desbloqueador de anúncios!Precisamos manter o site no ar. Os anúncios nos ajudam a produzir esse conteúdo grátis pra você