EcologiaAulas

Camuflagem e mimetismo: diferenças, o que são.

Entenda essas duas táticas que alguns seres utilizam para poder sobreviver

Camuflagem e mimetismo são estratégias de defesa que os seres vivos utilizam para ajudar em sua sobrevivência. Na camuflagem, o indivíduo se confunde com o ambiente. No mimetismo, o ser vivo se parece com outra espécie.

Muitos seres vivos têm estratégias de disfarce que permitem escapar do ataque de predadores ou se aproximar de suas presas sem que sejam notados.

Essa tática pode representar um disfarce em relação ao ambiente ou um padrão imitativo em relação a outros seres vivos. As adaptações podem ocorrer por meio de defesas químicas e físicas.

O que é Camuflagem

Trata-se de semelhança de cor ou de forma entre um ser vivo e seu ambiente. O camaleão, por exemplo, altera a pigmentação de sua pele de acordo com a coloração do ambiente.

A semelhança do bicho-pau com um graveto dificulta a atuação dos predadores, assim como o que se verifica em insetos com formas semelhantes às de folhas.

camuflagem em mimetismo

O que é Mimetismo

Certas borboletas assemelham-se a outras de sabor desagradável, sendo ambas evitadas por pássaros predadores, com nítido benefício para as imitadoras.

É o caso das borboletas vice-rei, que apresentam um padrão de coloração semelhante ao da borboleta-monarca (Danaus plexippus), que é altamente tóxica.

camuflagem e mimetismo

Estude aqui no site essas e outras estratégias além das relações ecológicas entre os seres vivos

Outras estratégias de defesa

As formas pelas quais as presas devem evitar a predação são tão diversas quanto as táticas de caça dos predadores. Muitos animais adotam comportamentos críticos e buscam refúgios, como meio de evitar o ataque.

Outros têm defesas físicas, como os espinhos no corpo do porco-espinho, ou defesas químicas, como os besouros-bombardeiros, que borrifam um líquido nocivo quando se sentem ameaçados.

Uma das grandes batalhas travadas, como meio de evitar o ataque de seus consumidores, está entre plantas e herbívoros. Entre essas defesas incluem-se aquelas que constituem barreiras químicas (como a produção de compostos com efeitos tóxicos ou de pouca capacidade digestiva nos herbívoros) e físicas (como a presença de espinhos, pelos e cutícula). Por outro lado, assim como as plantas desenvolveram meios de evitar o ataque dos herbívoros, alguns desses se especializaram em eliminar de seu organismo compostos tóxicos de algumas espécies de plantas.

https://www.youtube.com/watch?v=k-i0mnJPOeA&feature=youtu.be

Artigos relacionados

Um Comentário

  1. Prezados, fico feliz por terem divulgado meu vídeo. Porém, vocês fizeram errado ao baixá-lo para repostar no canal de vocês e divulgar aqui.

    Peço por gentileza que retirem o vídeo, pois eu não autorizo a replicação do meu conteúdo desta forma.

    Estou aberto a fazermos parcerias.

    Parabéns pelo site!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Bloqueador de anúncio detectado

Por favor, desative o desbloqueador de anúncios!Precisamos manter o site no ar. Os anúncios nos ajudam a produzir esse conteúdo grátis pra você