AulasCitologia

O que é nucléolo – função, estrutura, importância

Nucléolo: fábrica de ribossomos

O nucléolo é a estrutura presente no interior de núcleos das células eucarióticas. Principalmente, participa da montagem dos ribossomos, alteração do RNA de transferência e detecção do estresse celular. O nucléolo é composto de RNA e proteínas, que se formam em torno de regiões cromossômicas específicas.

É um dos principais componentes do núcleo. A cadeia de RNA e DNA, juntamente com outros componentes, formam os componentes estruturais. Os principais componentes do nucléolo são o ácido ribonucleico, o ácido desoxirribonucleico e as proteínas.

Função do Nucléolo

O nucléolo é considerado o cérebro do núcleo, cobrindo quase 25% do volume do núcleo. Principalmente, participa da produção de subunidades que se unem para formar ribossomos. Assim, o nucléolo desempenha um papel importante na síntese de proteínas e na produção de ribossomos em células eucarióticas.

Nucléolos ajuda na síntese de proteínas e na produção do ribossomo nas células.

Diferença entre Núcleo e Núcleo

A diferença entre núcleo e nucléolo é mencionada abaixo:

NúcleoNucléolo
Grande em tamanhoMuito pequeno em tamanho
Ligado pelo envelope nuclearNão possui membrana limitante
Contém cromossomos.Não possui cromossomos
É rico em DNA, o material genéticoÉ rico em RNA

Estrutura do Núcleo

Nas células eucarióticas, o nucléolo tem uma estrutura bem ordenada com quatro componentes ultraestruturais principais. Os componentes podem ainda ser identificados como:

  • Centros fibrilares: É o local onde se formam as proteínas ribossomais.
  • Componentes granulares: Antes dos ribossomos serem formados, esses componentes têm rRNA que se liga às proteínas ribossomais.
  • Componentes fibrilares densos: Possui novo RNA transcrito, que se conecta às proteínas ribossômicas.
  • Vacúolos nucleolares: Está presente apenas nas células vegetais.

A ultraestrutura do nucléolo pode ser facilmente visualizada através de um microscópio eletrônico. O arranjo do nucléolo dentro da célula pode ser claramente estudado pelas técnicas – recuperação fluorescente após fotobranqueamento e marcação de proteína fluorescente.

O nucléolo de várias espécies de plantas tem concentrações muito altas de ferro em contraste com o nucléolo de células humanas e animais .

A imagem de células de raiz de cebola da figura revela uma estrutura já conhecida dos citologistas há muito tempo: o nucléolo. De fato, na virada do século XIX, já havia centenas de artigos descrevendo os nucléolos e sua atividade, mas na verdade essa estrutura ainda é pouco conhecida.

células de raiz de cebola
Fotografia obtida ao microscópio óptico de células de raiz de cebola, submetidas à coloração que deixa o material do núcleo celular vermelho. A célula maior tem 75 μm de comprimento.

Sabe-se com certeza, em primeiro lugar, que o nucléolo não é delimitado por membrana e, além disso, que é uma região de intensa fabricação de ribossomos. Cada vez que a célula humana se divide, os nucléolos se fragmentam e desaparecem.

Logo após a divisão celular, na qual duas células-filhas idênticas se formam, o nucléolo reaparece. Seu tamanho reflete a quantidade de ribossomos produzida. Como os ribossomos são formados por um tipo especial de RNA, o RNA ribossômico (RNAr), o nucléolo é uma região de fabricação de RNAr.

Nucléolo função estrutura.
Células embrionárias de mamífero submetidas a uma técnica especial que realça os nucléolos, em rosa. Os nucléolos são regiões de intensa fabricação de certos tipos de RNA e de ribossomos, e estão no interior dos núcleos. Estes têm cerca de 11 µm de diâmetro.

Outro tipo de RNA, o chamado RNA transportador (RNAt), que se liga a aminoácidos e os transporta para a síntese de proteínas, é também processado na região do nucléolo. Assim, a presença de nucléolos é indicadora de síntese de proteínas. Isso explica o fato de eles serem observados em células em grande atividade, como células embrionárias e células tumorais. Células eucarióticas sem núcleo, como as hemácias humanas, têm atividade muito restrita; por exemplo, são incapazes de se reproduzir.

Thiago Faruk

Thiago Faruk é biólogo formando pela USP e mestre em ensino de ciências e matemática pela Unicamp. É um grande prazer ser um colaborador do Planeta Biologia. Aqui minha função é produzir artigos e fazer curadoria de artigos que chegam até mim, fazendo correções, edições e oferecer aos nossos leitores o melhor conteúdo na área de biologia.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo