Meio AmbienteAulasEcologia

O que é saneamento básico: importância – tudo sobre

Também conhecido como saneamento ambiental, entenda uma das mais importantes medidas de saúde pública

Nesta aula veremos o que é saneamento básico e sua importância. Também chamado de saneamento ambiental, podemos dividir o saneamento básico em três partes: ETA, que são as estações de tratamento de água; as ETE, que são as estações de tratamento de esgoto e a coleta e destinação dos resíduos sólidos.

Veja uma vídeo aula logo abaixo e depois continue com a leitura.

O que é saneamento básico

Saneamento básico é um conjunto de serviços que incluem o abastecimento de água de qualidade, coleta e tratamento de esgoto, coleta de resíduos sólidos. Essas medidas visam garantir a saúde pública, o meio ambiente e a qualidade de vida.

Como principais exemplos de saneamento básico podemos destacar:

  • abastecimento de água potável
  • coleta de esgoto
  • tratamento de esgoto
  • coleta de resíduos sólidos
  • destinação dos resíduos sólidos
  • limpeza urbana
  • drenagem urbana
  • drenagem de águas pluviais

Em todos os países, os governantes têm o dever de realizar o tratamento da água e do esgoto a fim de garantir condições de higiene e saúde à população e condições ambientais. Esses procedimentos são chamados de saneamento básico.

Quais os objetivos do saneamento básico

Os principais objetivos do saneamento básico são prevenir doenças e promover a saúde das comunidades. Esses objetivos podem ser obtidos por meio dos seguintes procedimentos:

  • tratamento e distribuição da água potável
  • coleta e tratamento do esgoto;
  • coleta e destinação adequada do lixo.
Poluição em Guaíba
Paulo RS Menezes, CC BY-SA 3.0 BR, via Wikimedia Commons

Tratamento de esgoto

Esgoto é toda água já usada em residências, comércios e indústrias. Em casa, por exemplo, é a água que foi utilizada para tomar banho, lavar a louça, dar a descarga, escovar os dentes, limpar a casa, etc.

Para controlar a poluição das águas, a coleta e o tratamento dos esgotos são fundamentais. No Brasil, existe coleta de esgoto tanto na zona urbana como na zona rural.

É importante saber que nem todo esgoto coletado é tratado. No Brasil, segundo os dados mais recentes disponibilizados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 2008, 28,5% dos municípios faziam tratamento do esgoto coletado.

Estação de tratamento de esgoto – ETE

Embora uma ETE seja uma instalação muito complexa, as etapas básicas do tratamento de esgoto podem ser entendidas pelo esquema simplificado mostrado a seguir.

ETE tratamento de esgoto

1 – Entrada de esgoto bruto recolhido da rede de esgoto da cidade,

2 – Conjunto de grades grossas de metal, que retém objetos e materiais grandes.

3 – Conjunto de grades médias de metal, que retém objetos e materiais menores. O material retido pelas grades é retirado e levado para aterros ou encaminhado para reciclagem.

4 – Caixa de areia, onde ocorre a sedimentação de areia e de outras partículas maiores.

5 – No tanque chamado decantador primário ocorre a sedimentação de partículas sólidas pequenas e de matéria orgânica.

6 – No tanque de aeração, o ar é borbulhado para aumentar a quantidade de gás oxigênio na água. Esse processo favorece a multiplicação de microrganismos que consomem o material orgânico ainda presente na parte líquida.

7 – No tanque chamado decantador secundário ocorre a sedimentação do material orgânico decomposto, o lodo. Esse lodo é retirado, tratado e pode ser utilizado como adubo na agricultura, por ser rico em matéria orgânica, ou para produzir gás metano, pela decomposição da matéria orgânica.

8 – Após a retirada do lodo, podem ser adicionados compostos com cloro, que agem como desinfetantes.

9 – O esgoto tratado é lançado no rio.

Fossa séptica

Nas casas em que o esgoto não é coletado, ele deve ser recolhido em uma fossa séptica.

onde não há tratamento de esgoto

A fossa séptica, muito usada na zona rural, recebe os dejetos do banheiro, da pia e dos ralos. Inicialmente, são feitos dois buracos no solo, com aproximadamente 2 a 3 metros de profundidade.

As paredes devem ser revestidas por alvenaria ou por concreto e ligadas entre si por um tubo. O esgoto é coletado na fossa séptica, onde o material sólido se acumula no fundo e vai se decompondo.

A parte líquida que contém alguns resíduos fica na parte superior. Essa parte líquida, com menos impurezas, passa para o segundo tanque (sumidouro), que tem fundo de terra e permite a infiltração desse líquido.

A terra funciona como um filtro, retendo a parte sólida não dissolvida e microrganismos como bactérias, fungos, protozoários e vírus.

Obtenção e tratamento de água

Poços

Normalmente, nas regiões onde não existe coleta de esgoto, também não existe o fornecimento de água encanada; a água consumida é retirada diretamente de um rio, de uma nascente ou de poços.

Para fazer um poço raso, deve-se escavar um buraco até um aquífero. A profundidade necessária para isso varia de uma região para outra, geralmente de 5 a 20 metros.

Os poços devem ser revestidos com tijolos ou anéis de concreto, na parte superior, acima da superfície, deve ser construída uma mureta com aproximadamente 30 centímetros de altura, e a abertura do poço deve ser coberta.

A água do poço, antes de ser utilizada, deve ser analisada para comprovar a ausência de toxinas e microrganismos. A análise deve ser repetida periodicamente.

Outro cuidado que se deve ter ao usar a água do poço é filtrá-la e fervê-la. A fervura é importante para matar os microrganismos.

Há cuidados que devem ser tomados ao se perfurar um poço no mesmo terreno onde existem fossas sépticas e sumidouros. Acompanhe na ilustração abaixo.

sumidouro

Estação de tratamento de água – ETA

A água que vai ser tratada é geralmente captada de represas e rios (mananciais). Observe a ilustração e acompanhe as explicações de cada etapa.

tratamento de água

  1. Antes de chegar à estação de tratamento,, a água passa por grades metálicas (filtro grosseiro), que retêm materiais sólidos de grande tamanho.
  2. Na fase chamada pré-floculação, a água recebe a adição de cal e sulfato de alumínio, que se combinam formando flocos (partículas de aspecto gelatinoso).
  3. Essa mistura passa para o tanque de floculação, onde é agitada, e as partículas sólidas de sujeira em suspensão se aderem aos flocos.
  4. Os flocos com a sujeira aderida, junto com a água, são encaminhados para o tanque de decantação. A decantação é um processo de separação de misturas no qual as partes sólidas se depositam no fundo.
  5. Após a decantação, a água escoa pela parte superior do tanque e passa para outro tanque, onde ocorrerá a filtração.
  6. Ao final do processo, são adicionadas substâncias contendo hipoclorito ou gás cloro, desinfetantes que têm a capacidade de matar os microrganismos que ainda estiverem na água e, em algumas estações de tratamento, ainda são adicionados compostos de flúor.

O flúor ajuda a reduzir as cáries nos dentes ou evitar a formação delas.

A água tratada é encaminhada para os reservatórios de água da cidade, por encanamentos apropriados. Desses reservatórios, geralmente localizados nas regiões mais altas da cidade, a água é distribuída para as residências.

A captação, o tratamento e a distribuição da água têm um custo. Esse é um dos motivos pelos quais pagamos pela água que recebemos.

Custo da água

O aparelho que mede a quantidade de água utilizada em uma residência é chamado de hidrômetro.

A passagem da água pelo hidrômetro faz com que sua hélice interna gire. O número de giros registrado no mostrador corresponde à quantidade de água consumida.

Mensalmente, um funcionário da companhia de águas e esgoto faz a leitura do hidrômetro, que indica, em metros cúbicos, o volume de água consumida. A partir dessa leitura, é emitida a conta de água.

Quanto mais água se consome, mais dinheiro é gasto. Sabemos que os recursos hídricos são limitados. O consumo excessivo e o desperdício poderão levar a uma redução da quantidade de água disponível para consumo. Esse é o principal motivo pelo qual devemos evitar desperdícios.

Uso correto da água

Durante muito tempo a água foi considerada um recurso natural infinito. No entanto, o crescimento da população e das atividades econômicas, tanto industriais como agrícolas, tem sido responsável pelo aumento do consumo de água e pela maior produção de esgoto, poluindo cada vez mais rios e mares.

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco), desde 1950, a quantidade de água retirada de rios, aquíferos e outras fontes aumentou 9 vezes, enquanto a população cresceu 3 vezes. O consumo de água por pessoa dobrou nesse período.

O Brasil, como diversos outros países, começa a perceber que é essencial administrar melhor os recursos hídricos. Assim será possível aumentar o número de pessoas com acesso à água potável, aumentar a produtividade agrícola, reduzir a degradação do solo e a poluição da água.

Evitando desperdícios

Você e sua família, em casa, podem contribuir para diminuir o consumo de água, adotando atitudes que evitem o desperdício.

  • Pressionar a válvula da descarga do vaso sanitário somente o tempo necessário (3 segundos é o suficiente).
  • Uma válvula comum consome cerca de 20 litros em cada descarga,
  • Não jogar lixo no vaso sanitário economiza água e evita entupimentos.
  • Fechar a torneira enquanto escova os dentes.
  • Reduzir o tempo de banho para 5 minutos e deixar o chuveiro fechado enquanto se ensaboa.
  • Utilizar um recipiente (bacia ou balde) para lavar as frutas e verduras, mantendo a torneira fechada.
  • Utilizar balde ou escovão para limpar a casa.
  • Não usar a água como vassoura.
  • Ficar atento para a existência de vazamentos nos encanamentos de sua casa e avisar um adulto caso encontre um.
  • Lavar o carro com balde. Não usar mangueira na lavagem de veículos.
  • Evitar usara máquina com pequena quantidade de roupa.
  • Não lavar roupa com água corrente. Utilizar o tanque e, quando necessário, renovar a água.
  • Reservar uma pequena quantidade de água para ensaboar pratos, copos e panelas na pia da cozinha. Abrir a torneira apenas para enxaguar.

Essas atitudes, e muitas outras que você pode descobrir, contribuem para diminuir o desperdício de água,

Acesse o site: www.usp.br/qambiental/tratamentoAgua.html para saber como saber se você gasta mais do que consome.

Observação: consulte, na conta de água de sua residência, o campo em que está indicado o consumo em m3 e transforme o valor para litros (1 m3 = 1 000 L).

Dica de cinema: Saneamento básico o filme

Um filme divertido com um elenco incrível contanto a história de como uma pequena comunidade sem muito orçamento faz para resolver os problemas sanitários.

Veja o trailer e a sinopse do filme.

Resumo da aula o que é saneamento básico

  • O que é saneamento básico
  • Como funciona uma estação de tratamento de esgoto
  • O que é fossa séptica e os cuidados ao construí-la
  • O que é um poço raso e os cuidados ao construí-lo
  • Como funciona uma estação de tratamento de água
  • Como verificar o custo da água
  • Desperdício de água e como evitá-lo

Você sabia que tem bastante gente que envia posts, artigos, ou algo qualquer texto relacionado a ciências, educação ou biologia? Você gostaria de participar? Entre em contato.

Se você encontrar algo indevido nos textos, nas imagens, vídeos que recebemos, por favor, relate nos comentários que assim que puder será feita uma revisão.

Bibliografia

  • LEONETI, Alexandre Bevilacqua; PRADO, Eliana Leão do; OLIVEIRA, Sonia Valle Walter Borges de. Saneamento básico no Brasil: considerações sobre investimentos e sustentabilidade para o século XXI. Revista de Administração Pública, v. 45, n. 2, p. 331-348, 2011. Link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo