Início / Aulas / O que é reprodução sexuada

O que é reprodução sexuada

Você sabe o que é reprodução sexuada? Basicamente é o tipo de reprodução onde ocorre uma mistura de material genético. Na maioria das vezes é feito entre machos e fêmeas, mas há casos em que pode haver autofecundação. veremos adiante os principais conceitos, tipos e a importância da reprodução sexuada. Dá uma olhada no vídeo logo abaixo e depois continue com texto.

Reprodução sexuada

A maioria dos seres vivos se reproduz sexuadamente, o que acontece por meio de células especializadas, os gametas. Como os gametas são produzidos por meiose, eles são sempre haploides, contendo a metade do número de cromossomos da espécie. Com a fusão dos gametas masculino e feminino na fecundação, forma-se o zigoto, que é a primeira célula de um novo indivíduo. Os dois conjuntos cromossômicos (n), um do “pai” e outro da “mãe”, fazem com que o novo indivíduo possua características de ambos. A reprodução sexuada, ao contrário da assexuada, produz, portanto, variações nos descendentes, facilitando a seleção natural.

Os gametas, nos animais, são produzidos em órgãos denominados gônadas. As gônadas masculinas são os testículos, que produzem espermatozoides, os gametas masculinos. As gônadas femininas são os ovários, que produzem óvulos, os gametas femininos.

Você sabe o que é Reprodução Assexuada? Veja também outros tipos de reprodução.

Espermatozoide

O espermatozoide é uma célula pequena e móvel; apresenta cabeça com núcleo haploide e enzimas de penetração, além do flagelo ou outra estrutura de motilidade. O espermatozoide humano pode ser dividido em três regiões: cabeça, peça intermediária e cauda. Na cabeça situam-se o núcleo e o acrossomo ou capuz cefálico com enzimas que irão digerir a membrana do óvulo na fecundação. A peça intermediária apresenta muitas mitocôndrias, responsáveis pela liberação da energia necessária à movimentação do espermatozoide, que é realizada pela cauda ou flagelo.

espermatozoide

Você sabia que a dieta alimentar está relacionada com a qualidade do sêmen produzido?

Um estudo de duas universidades da Espanha ligou a fertilidade masculina à ingestão de antioxidantes (substâncias encontradas em certos alimentos que bloqueiam a ação dos radicais livres, que atuam no envelhecimento das células). Os cientistas das Universidades de Múrcia e de Alicante concluíram que essas substâncias, presentes nas frutas, verduras, legumes e grãos, melhoram a qualidade do sêmen, afetando a concentração de espermatozoides, e ainda sua morfologia e sua mobilidade.

Ao mesmo tempo, uma dieta a base de alimentos mais gordurosos pode produzir um efeito negativo na fertilidade masculina.

“Um estudo anterior nosso mostrou que homens que comem muita carne e laticínios gordurosos têm uma qualidade de sêmen inferior à dos que consomem mais frutas, legumes e laticínios desnatados”, explicou Jaime Mandiola, da Universidade de Múrcia e principal autor da pesquisa, […].

Óvulo

O que é reprodução sexuada
O óvulo é uma célula haploide, grande e imóvel; apresenta material nutritivo ou vitelo. Quanto à distribuição e quantidade de vitelo, os óvulos podem ser: oligolécitos, heterolécitos, telolécitos, centrolécitos e alécitos. A região com maior concentração de vitelo é o polo vegetativo do óvulo, e a região onde fica o núcleo é o polo animal.

Veja uma aula sobre o sistema reprodutor masculino e outra sobre o sistema reprodutor feminino.

Tipos de óvulos

Oligolécito Heterolécito Telolécito Centrolécito AlécitoOligolécito (do grego oligos = pouco; lekythos = vitelo) – possui pouco vitelo distribuído uniformemente pelo citoplasma.

Heterolécito (do grego hétero = outro, diferente) -possui quantidade média de vitelo mais concentrada no polo vegetativo do que no animal.

Telolécito (do grego telein = completo) – grande quantidade de vitelo que ocupa praticamente todo o volume celular.

Centrolécito (do grego kentron = centro) ou mediolécito (do grego mediu = meio) – o vitelo ocupa a parte central da célula.

Alécito (do grego a = sem) – óvulo praticamente sem vitelo.

Gametogênese

O espermatozoide e o óvulo são formados por meiose de células germinativas (2n), num processo denominado gametogênese, que compreende espermatogênese e ovulogênese. Os dois eventos processam-se em três períodos: multiplicação (ou período germinativo), crescimento e maturação. Na espermatogênese ocorre também o período de diferenciação, com a formação dos espermatozoides.

Diferenças entre espermatogênese e ovulogênese na espécie humana.

espermatogênese ovulogênese

Período germinativo – Na mulher termina na vida intrauterina ou completa-se logo após o nascimento. No homem dura quase toda a vida.

Período de crescimento – As ovogônias aumentam muito de tamanho originando ovócitos I (ou ovócitos primários), maiores que os espermatócitos I (ou espermatócitos primários). Essa diferença de tamanho deve-se à síntese de vitelo no ovócito.

Período de maturação – Na ovulogênese formam-se duas células de tamanhos diferentes: uma bem maior que a outra. A maior é o ovócito II (ou ovócito secundário), e a menor é o glóbulo polar, também denominado corpúsculo polar. O ovócito II inicia a meiose II, que, na espécie humana, só se completa se ocorrer a fecundação. Na espermatogênese formam-se células de tamanhos iguais, os espermatócitos II (ou espermatócitos secundários), que entram em meiose II, dando origem às espermátides.

Período de diferenciação – Na espermatogênese, o período de diferenciação denomina-se espermiogênese. É quando as espermátides se transformam em espermatozóides sem que ocorra divisão celular.

Produção de gametas nas plantas

As plantas também possuem órgãos especiais para a produção de gametas. Nas plantas sem flores, como musgos e samambaias, existem anterídios, que produzem anterozoides – gametas masculinos e arquegônios, que produzem oosferas – gametas femininos. Nas plantas com flores, como laranjeiras e macieiras, as anteras produzem os grãos de pólen, que contêm os núcleos gaméticos – gametas masculinos -, e o ovário produz óvulos, que contêm as oosferas -gametas femininos.

Monoicismo e dioicismo

É considerado monoico ou hermafrodita o indivíduo que possui gônadas masculinas e femininas. O monoicismo é frequente entre invertebrados, como planárias, tênias, minhocas, sanguessugas e caracóis, e entre as plantas que possuem flor hermafrodita, ou seja, com as partes masculina (androceu) e feminina (gineceu). Na espécie humana, porém, o hermafroditismo é muito raro. Mesmo que os genitais internos sejam dos dois sexos, os externos normalmente são masculinizados.

A autofecundação não é regra geral nos organismos hermafroditas. Circunstâncias naturais podem impedir que isso aconteça. Uma barreira física, como a localização dos órgãos sexuais, não permite a aproximação dos respectivos gametas (hercogamia), ou a maturação dos gametas ocorre em épocas diferentes (dicogamia), portanto, não se encontram nunca.

Os organismos dioicos (ou unissexuados)

apresentam somente um tipo de gônada, masculina ou feminina. Muitas espécies de sexos separados podem apresentar dimorfismo sexual, ou seja, diferenças externas que permitem diferenciar machos e fêmeas, como ocorre principalmente entre vermes, artrópodes e a maioria dos vertebrados.

Fecundação

Entre os animais, a fecundação, ou seja, a fusão de dois gametas de sexos diferentes para formar um zigoto ou célula-ovo, pode ser externa ou interna.

A fecundação externa é comum nos animais aquáticos, em que os gametas se unem na água.

O número médio de óvulos em cada postura geralmente é bem grande, para garantir o encontro dos gametas.

Na fecundação interna, a união dos gametas ocorre no interior do organismo feminino. É uma adaptação à vida terrestre, que também aumenta a probabilidade da fecundação.

Na maioria dos animais que vivem em ambientes terrestres, o encontro dos gametas ocorre pela fecundação interna, pois os espermatozóides dependem de um meio líquido para se locomover. No caso de animais que realizam fecundação interna, esse líquido é produzido pelo próprio organismo.

Muitos animais possuem órgãos próprios para cópula, como o pênis. É o caso dos mamíferos, por exemplo. Quando existe esse órgão, a fecundação é bastante eficiente, pois o macho introduz seus espermatozoides dentro do corpo da fêmea. A eficiência da reprodução aumenta com a fecundação interna.

Tipos de fêmeas

Conforme o desenrolar do processo reprodutivo, as fêmeas dos animais podem ser classificadas em ovulíparas, ovíparas, ovovivíparas e vivíparas.

As fêmeas ovulíparas lançam seus óvulos no meio aquático, onde vivem, para serem fertilizados pelos espermatozoides dos machos também lançados nesse meio. Exemplos são as fêmeas de peixes ósseos e anfíbios.

As fêmeas ovíparas botam ovos fertilizados ou não e o desenvolvimento embrionário ocorre fora do seu corpo. São fêmeas cujos ovos exigem incubação. Por exemplo: as fêmeas de aves e de répteis, além de mamíferos monotremos, como o ornitorrinco e a equidna.

Casos especiais de reprodução

Como casos especiais de reprodução, podem ser citadas a partenogênese, a neotenia, a pedogênese, a poliembrionia e a metagênese ou alternância de gerações.

A partenogênese é um caso particular de reprodução assexuada em que há desenvolvimento de óvulos sem que estes tenham sido fecundados. Trata-se de um fenômeno relativamente comum em diversos grupos de animais, entre eles alguns vermes, insetos, como abelhas, formigas e cupins, e vertebrados, como alguns lagartos.

Todos os descendentes, por meio de partenogênese, carregam apenas o material genético materno, uma vez que não houve fecundação. São todos indivíduos haploides, sem recombinação gênica. A reprodução partenogenética pode resultar exclusivamente em fêmeas, exclusivamente em machos, ou, em alguns animais, em indivíduos de ambos os sexos.

No caso das abelhas (gênero Apis), a partenogênese atua como um mecanismo de determinação do sexo. A abelha rainha põe ovos e óvulos.

Nas fêmeas vivíparas, o desenvolvimento embrionário completa-se, em geral, dentro de seus corpos. Os filhotes já nascem formados. Por exemplo: as fêmeas da maioria dos mamíferos.

As fêmeas ovovivíparas retêm os ovos dentro do seu corpo até sua eclosão, quando, então, os filhotes são expulsos para o exterior. Os ovos não precisam de incubação. São exemplos as fêmeas dos lebistes, peixes comuns em água doce, algumas serpentes peçonhentas etc.

Os ovos se desenvolvem em zigotos diploides que vão originar somente fêmeas – rainhas férteis e operárias estéreis. Os óvulos, via partenogênese, se desenvolvem em zigotos haploides que vão originar somente machos, os zangões.

A diferenciação das fêmeas em férteis e estéreis é determinada pelo tipo de alimentação. Se as larvas fêmeas forem alimentadas com pólen e mel, se transformarão em operárias; entretanto, se uma larva fêmea for alimentada com geleia real, ela se transformará em rainha.

Quer receber mais AULAS GRÁTIS?

inscreva-se em nosso canal no YouTube
 

botao-youtube

2 comentários

  1. Sempre que possível acesso o planeta Biologia!!!! Sou viciada nessas aulas!!!! Muito bom!!!! 👏👏

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer receber mais AULAS GRÁTIS?

inscreva-se em nosso canal no YouTube
 

botao-youtube

Não vai embora ainda!
Quer material pra estudar ou dar aula?
Inscreva-se grátis! 
Inscrever-se
Lembre-se, você poderá cancelar a inscrição a hora que quiser
88 Slides profissionais   Biologia e Ciências     R$ 21,00

Você é 
Professor(a)?

Tem 5 Slides GRÁTIS pra você baixar agora. 
Baixar Slides