Aulas

O que são viroides

Características e estrutura de um viroide

Os viroides são agentes infecciosos sub-virais compostos exclusivamente por uma única fita de RNA circular. Essa fita pode ser simples e em algumas regiões essa fita pode ser dupla por ligação covalente.

Por causa de suas estruturas simplificadas, príons e viroides são chamados partículas sub-virais. Os viroides causam principalmente doenças em plantas, mas recentemente foi relatado que causam uma doença humana.

É importante dizer que viroides não são vírus. São bem mais simples e sua estrutura se resumo em material genético sem uma capa proteica.

Estrutura dos viroides

Pode-de dizer que a estrutura básica de um viroide é uma fita de RNA catalítico em forma de plasmídeo, ou seja, em forma circular. 

RNAs catalíticos são aqueles que têm a capacidade intrínseca de quebrar e formar ligações covalentes; Os viroides são RNAs catalíticos (ribozimas) que clivam o RNA para produzir fragmentos contendo um 5′-hidroxil e um fosfato cíclico 2 ‘, 3’.

Esta é uma reação não hidrolítica, na qual o mesmo número de ligações fosfodiéster é mantido e a reação de transesterificação é teoricamente reversível.

Considera-se que esta reação desempenha um papel essencial na replicação desses RNAs in vivo.

Tais reações são todas intramoleculares e, portanto, quase catalíticas com uma rotatividade única. Esses RNAs podem ser manipulados, no entanto, para fornecer verdadeira clivagem catalítica nas reações trans.

Replicação de um viroide

Os RNAs patogênicos circulares são replicados por um mecanismo de círculo rolante in vivo . Existem duas variações desse mecanismo de círculo rotativo:

O que são viroides

Na primeira variação (A), a cadeia circular positiva é copiada pela RNA polimerase dependente do RNA viroide para formar uma cadeia negativa (etapa 2).

A clivagem específica do local dessa fita produz um monômero que é circundado por uma RNA ligase hospedeira (etapa 3) e depois copiado pela RNA polimerase para produzir uma fita positiva.

A clivagem desta cadeia (etapa 5) produz monômeros que, por circularização, produz a progênie circular, a forma dominante in vivo.

Na outra variação (B), a cadeia menos agrupada da etapa 1 não é clivada, mas é copiada diretamente para dar uma cadeia mais agrupada (etapa 3), que é eliminada especificamente para monômeros para ligação à progênie circular. Considera -se que os RNAs que se auto-clivam apenas na cadeia positiva in vitro seguem esta rota.

O genoma viroide da hepatite D é uma cadeia negativa que dá origem a duas espécies de RNA. Um deles é um mRNA para o antígeno delta e o outro é uma cópia complementar completa (mais fita ou antígeno).

O anti-genoma atua como um modelo para criar mais fitas negativos. A fita negativa se auto-cliva e se auto-liga.

A replicação do HDV, um tipo de viroide, ocorre no núcleo, mas o antígeno delta é produzido no citoplasma. O antígeno delta é a única proteína produzida pelo mRNA do HDV.

Possui uma carga de +12 no pH fisiológico, acumula-se no núcleo e liga-se ao RNA da fita negativa como um dímero. O antígeno delta é necessário para a montagem do viroide, mas seu modo exato de ação ainda é desconhecido.

Patologias humanas induzidas por viroides

A única doença humana conhecida causada por um viroide é a hepatite D. Em muitos lugares o causador da hepatite D é tratado como um vírus defeituoso, o HDV. Porém hoje se sabe que o HDV é um viroide.

Essa doença foi anteriormente atribuída a um vírus defeituoso chamado agente delta . No entanto, agora se sabe que o agente delta é um viroide fechado em um capsídeo do vírus da hepatite B.

Para que a hepatite D ocorra, deve haver infecção simultânea de uma célula com o vírus da hepatite B e o vírus da hepatite D.

Existe uma extensa complementaridade de sequências entre o RNA viroide da hepatite D e o RNA 7S da célula hepática humana, um pequeno RNA citoplasmático que é um componente da partícula de reconhecimento de sinal, a estrutura envolvida na translocação de partículas secretoras e associadas à membrana.

O vírus da hepatite D causa a morte das células do fígado, sequestrando esse RNA 7S e / ou clivando-o.

Transmissão

O vírus da hepatite D só pode entrar em uma célula hepática humana se estiver dentro de um capsídeo que contém uma proteína de ligação.

Ele obtém isso do vírus da hepatite B. O agente delta entra na corrente sanguínea e pode ser transmitido através de transfusões de sangue ou soro.

Leitura Sugerida

Referencias bibliográficas

EIRAS, Marcelo et al. Viroides em citros. Tropical Plant Pathology, v. 34, n. 5, p. 275-296, 2009. – Link

Fonte: traduzido do inglês

https://www.atsu.edu/faculty/chamberlain/Website/Lects/Prions.htm

Redação Planeta Biologia

Planeta Biologia é uma site de educação com foco na produção de conteúdos para ensino fundamental e ensino médio. Desde 2012 escreve, produz slides e vídeos com o objetivo de auxilar o ensino de ciências e biologia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *