Os animais vertebrados – Subfilo vertebrata

Os animais vertebrados – subfilo vertebrata, como o próprio nome diz, são aqueles animais que possuem como principal característica a coluna vertebral. Essa estrutura é a responsável por dar forma, equilíbrio e proteger a medula nervosa. São animais do filo dos cordados, mas preste atenção, pois nem todo todo cordado é um animal vertebrado. Os vertebrados são os peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos. Veremos mais detalhes de cada uma dessas classes. Antes veja um resumo na vídeo aula abaixo.

ASPECTOS GERAIS

Os cordados (filo Chordata) dividem-se em cordados não vertebrados vertebrados (ágnatos, peixes cartilaginosos e peixes ósseos, anfíbios, répteis, aves e mamíferos). Em pelo menos uma fase da vida, apresentam fendas na faringe, notocorda, tubo nervoso dorsal cauda pós-anal.

Os cordados não vertebrados são marinhos e distribuem-se em dois grupos, cujos representantes mais importantes são os anfioxos (cefalocordados) e as ascídias (tunicados ou urocordados).

Os vertebrados (subfilo Vertebrata) apresentam inovações evolutivas em relação aos cordados não vertebrados:

  •    epiderme pluriestratificada, ou seja, com várias camadas de células;
  •    sistema cardiovascular fechado, em que o sangue circula apenas no interior de vasos sanguíneos;
  •    esqueleto interno constituído por cartilagem (ágnatos e peixes cartilaginosos) ou por ossos e cartilagens (peixes ósseos e todos os tetrápodes).

evolução dos verbrados

Peixes

OsteidesOs peixes podem ter esqueleto cartilaginoso ou ósseo. Os condrictes, ou peixes cartilaginosos
(classe Chondrichthyes), são os tubarões, as raias e as quimeras; os osteíctes ou peixes ósseos (classe Osteicthyes) incluem, por exemplo, as garoupas, as sardinhas, os bagres e os dourados.

A epiderme dos peixes é pluriestratificada e tem glândulas mucosas, cuja secreção mantém a superfície corporal lisa e facilita seu deslocamento na água. Os anexos superficiais mais evidentes são as escamas.

Os peixes apresentam sistema digestório completo, com digestão extracelular. Possuem mandíbula e, em geral, dentes. Pelo esôfago, o alimento alcança o estômago e deste passa para o intestino, que termina em ânus (nos peixes ósseos) ou em cloaca (nos peixes cartilaginosos).

O sistema cardiovascular é fechado, e o coração tem duas cavidades: um átrio e um ventrículo. O sangue, bombeado pelo coração, atravessa as brânquias, onde, trocando gases com a água, recolhe gás oxigênio e elimina gás carbônico (respiração branquial). Das brânquias, segue para os demais órgãos do corpo.

A excreção nitrogenada dos peixes é feita por néfrons, agrupados em rins. Nos osteíctes, o principal resíduo nitrogenado é a amônia; nos condrictes, é a ureia.

Em geral, os peixes são dioicos (sexos separados). Os condrictes têm fecundação interna e dásperes (modificação das nadadeiras pélvicas dos machos), que funcionam como órgão copulador, transferindo os espermatozóides.

Os osteíctes, em sua maioria, têm fecundação externa, com desenvolvimento direto.

Anfíbios

Os anfíbios, vertebrados de transição entre os ambientes aquático e terrestre, vivem habitualmente em água doce e em ambientes terrestres úmidos.

Em relação aos peixes, apresentam uma série de inovações evolutivas:

  •    coração com três cavidades, que aumenta a eficiência de transporte do sangue;
  •    pele permeável, através da qual ocorrem as trocas gasosas;
  •    desenvolvimento de pulmões, que também executam trocas gasosas;
  •    membros ligados à coluna vertebral por meio das cinturas escapular e pélvica;
  •    tímpano, que transmite estímulos sonoros a estruturas nervosas da orelha;
  •    pálpebras que protegem os olhos e auxiliam em sua limpeza.

Os anfíbios compreendem três grandes ordens:

  •    Ordem Anura: pererecas, sapos e rãs.
  •    Ordem Urodela: salamandras e tritões.
  •    Ordem Apoda: cobras-cegas ou cecílias.

Urodelos anuros caudata

A pele, fina e vascularizada, tem pouca

queratina (uma proteína impermeável) e, por isso, é permeável à água e gases. É rica em glândulas e está sempre úmida. A epiderme é pluriestratificada.

Os anfíbios apresentam digestão extracelular e sistema digestório completo, que se abre na cloaca, por onde são eliminadas as fezes e também os gametas.

O sistema cardiovascular dos anfíbios é fechado. O coração tem três câmaras: dois átrios, que recebem sangue, e um ventrículo, que o expulsa. Ao percorrer uma volta completa pelo corpo, o sangue passa duas vezes pelo coração. O átrio esquerdo recebe sangue rico em gás oxigênio, proveniente dos pulmões; o átrio direito recebe sangue rico em gás carbônico, proveniente dos tecidos. No ventrículo, ocorre alguma mistura de sangue oxigenado com sangue não oxigenado. Do ventrículo, o sangue é bombeado para os pulmões e para o restante do corpo.

As trocas gasosas nos anfíbios adultos ocorrem nos pulmões (respiração pulmonar), na pele (respiração cutânea) e, em menor escala, na mucosa da boca e da faringe (respiração bucofaríngea). Os pulmões, cuja superfície interna é lisa, são pequenos quando comparados com os dos répteis e, principalmente, com os das aves e dos mamíferos. Na fase larval aquática, os anfíbios respiram por brânquias (respiração branquial).

A excreção nitrogenada é feita por néfrons, agrupados em rins. De forma geral, anfíbios adultos terrestres excretam ureia enquanto as larvas aquáticas excretam amônia.

Os anfíbios são dioicos (sexos separados) e a maioria apresenta fecundação externa: a fêmea elimina os gametas na água, sobre os quais o macho despeja os espermatozoides. Geralmente, os embriões desenvolvem-se em larvas aquáticas, que originam adultos por desenvolvimento indireto, isto é, com metamorfose.

Répteis

Em relação aos anfíbios, os répteis exibem inovações evolutivas que lhes permitiram a conquista definitiva do ambiente terrestre:

  •    pulmões com maior superfície de trocas;
  •    excreção de ácido úrico, o principal resíduo nitrogenado, que é pouco tóxico e requer pequena quantidade de água em sua eliminação;
  •    pele impermeável, que facilita a vida em ambientes secos;
  •    fecundação interna;
  •    ovo grande, com casca e membranas (o cório, que oferece proteção mecânica, e o âmnio, que evita a perda excessiva de água) que garantem nutrição e protegem o embrião.

Os répteis atuais são divididos em três grandes ordens:

  •    Ordem Crocodilia: jacarés, crocodilos e aligatores.
  •    Ordem Squamata: serpentes e lagartos.
  •    Ordem Chelonia: tartarugas, cágados e jabutis.

A epiderme é pluriestratificada e abundantemente queratinizada. A pele, espessa e sem glândulas, é impermeável à água e gases.

Os anexos mais evidentes da pele são as escamas, as placas ósseas e as garras.

Os répteis possuem sistema digestório completo e digestão extracelular.

Répteis - Características, classificação e exemplos

Os répteis têm sistema cardiovascular fechado. O coração da maioria tem três câmaras: dois átrios, que recebem o sangue, e um ventrículo parcialmente dividido, que o impulsiona para fora do coração. Um átrio recebe sangue rico em gás oxigênio dos pulmões; o outro recebe sangue rico em gás carbônico dos tecidos. Nos crocodilianos, o coração tem quatro câmaras: dois átrios e dois ventrículos.

A respiração é pulmonar, e os pulmões apresentam superfície mais ampla que a dos anfíbios. Tartarugas marinhas apresentam a cloaca vascularizada, constituindo uma superfície adicional de trocas gasosas.

O sistema urinário é constituído por néfrons (agrupados em rins), por meio dos quais os répteis excretam ácido úrico.

A fecundação é interna e acontece antes da formação da casca do ovo. A fecundação não depende da água e permite que os répteis se aventurem por ambientes secos. Seus embriões têm desenvolvimento direto, pois não há estágio larval: do ovo, sai um indivíduo semelhante ao adulto, já capaz de se alimentar.

Mamíferos

Os Mamíferos - Classificação e CaracterísticasOs mamíferos (classe Mammalia) são encontrados em praticamente todos os ambientes do planeta. Há diversas razões que explicam essa dispersão: eficientes mecanismos de economia de água, endotermia, sistemas muito desenvolvidos, como o nervoso e o muscular, que permitem a sobrevivência e reprodução nas mais diversas condições.

Os mamíferos apresentam importantes inovações evolutivas:

  • dentes diferenciados, especializados em rasgar, cortar, prender e triturar;
  •    diafragma, músculo que separa o tórax do abdome e é um dos responsáveis pelos movimentos respiratórios;
  •    encéfalo mais desenvolvido que o dos

outros grupos;

  •    pelos, que atuam como isolante térmico;
  •    gordura subcutânea, que funciona como reserva energética e isolante térmico;
  •    endotermia (também verificada em aves);
  •    pulmão com grande superfície de trocas gasosas;
  •    disposição dos ossos dos membros inferiores que exige menor esforço muscular para a sustentação do corpo e para a marcha;
  •    desenvolvimento embrionário intrauterino;
  •    glândulas mamárias.

Os mamíferos atuais classificam-se em três grupos:

  • Monotremados ou prototérios (sub-classe Prototheria, ordem Monotrema-

ta): mamíferos ovíparos. Atualmente, seus representantes são os ornitorrincos e as equidnas, encontrados na Austrália.

  • Marsupiais ou metatérios (subclasse Metatheria): mamíferos cujas fêmeas têm marsúpio, bolsa onde ficam as mamas. Os filhotes, que nascem imaturos, alojam-se no marsúpio, onde completam seu desenvolvimento. Incluem representantes australianos— cangurus e coalas — e os gambás da América do Sul.
  • Placentários ou eutérios (subclasse Eutheria): apresentam placenta, através da qual o embrião recebe gás oxigênio, nutrientes e anticorpos e passa seus resíduos, como gás carbônico e ureia, para o organismo materno.

As crias passam longo tempo dentro da mãe, nascendo bem desenvolvidas.

A pele é constituída por epiderme queratinizada e derme. Sob a derme, está a tela subcutânea (ou hipoderme), rica em gordura. A pele apresenta vários anexos, como pelos, escamas, placas, unhas, garras, cascos, cornos, glândulas sudoríparas, sebáceas e mamárias.

A digestão dos mamíferos é extracelular; o sistema digestório é completo e caracteriza-se pela quantidade e diversificação dos dentes, que se diferenciam em incisivos, caninos, pré-molares e molares.

Os mamíferos possuem sistema cardiovascular fechado e coração com quatro cavidades (dois átrios dois ventrículos, semelhante ao coração das aves). Os pulmões apresentam grande superfície.

A excreção nitrogenada se faz por um sistema urinário que contém néfrons, agrupados em rins. A maioria excreta ureia.

A fecundação é interna, e os sexos são separados. O desenvolvimento embrionário dos mamíferos é direto. Na maioria, os embriões se desenvolvem no útero (figura 4), em que se forma a placenta.

Aves

As aves (classe Aves) ocupam vários tipos de ambiente, graças a eficientes mecanismos de economia de água e à capacidade de manter a temperatura corporal constante e de voar, o que garante grande dispersão.

De maneira geral, as aves dominam o ar, e os mamíferos, a terra, o que evita a competição entre animais dos dois grupos e reduz a atividade predatória.

As aves apresentam semelhanças com os répteis:

  •    excreção de resíduos nitrogenados principalmente como ácido úrico;
  •    epiderme queratinizada, seca e sem glândulas, exceto na região sobre a cloaca;
  •    fecundação interna;
  •    ovo com casca e membranas protetoras (cório e âmnio).

No entanto, exibem importantes inovações evolutivas:

  •    penas, uma exclusividade das aves, relacionadas com duas características do grupo: o voo e a endotermia;
  •    ossos pneumáticos (ou seja, com a cavidade interna cheia de ar), menos densos e que determinam menor massa corporal.

 

A pele, seca e impermeável à água e gases, dificulta a perda de água e possibilita a adaptação a ambientes secos. A epiderme, pluriestratificada e queratinizada, não apresenta glândulas, exceto a glândula uropigiana, situada acima da base da cauda, a qual secreta um óleo utilizado na impermeabilização das penas, que não encharcam, facilitando a flutuação.

Os anexos mais evidentes da pele são as penas, constituídas por queratina. As penas mantêm, entre elas e a pele, um verdadeiro “colchão de ar”. Em ambientes frios, as aves eriçam as penas, aumentando a retenção de ar, que é mal condutor de calor e atua como isolante térmico. As penas funcionam também como atrativo sexual. Habitualmente, são os machos que exibem plumagem exuberante.

A digestão é extracelular, e o sistema digestório é completo, abrindo-se na cloaca. As aves possuem bico queratinizado e rígido. Adaptações, como o papo (ou inglúvio) e a moela, compensam a ausência de dentes. O intestino grosso é curto ou ausente, e a capacidade de absorção de água é limitada ao intestino delgado, sendo elevado o conteúdo líquido das fezes. Trata-se de adaptação.

Resumo da aula Os animais vertebrados – Subfilo vertebrata

  • Principais características dos vertebrados
  • Classificação do subfilo vertebrata
  • fisiologia comparada das cinco classes de animais vertebrados

Veja também aqui no site uma aula sobre Reino Animal.

 

Quer receber mais AULAS GRÁTIS?

inscreva-se em nosso canal no YouTube
 

botao-youtube

2 thoughts on “Os animais vertebrados – Subfilo vertebrata”

    1. Como essa aula foi pensada para o ensino médio e enem, não há uma comparação dos tipos de rins, ou sistema excretor. Mas em breve teremos artigos mais aprofundados com comparação da fisiologia e anatomia animal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer receber mais AULAS GRÁTIS?

inscreva-se em nosso canal no YouTube
 

botao-youtube

close-link
Não vai embora ainda!
Quer material pra estudar ou dar aula?
Inscreva-se grátis! 
Baixar Material
Lembre-se, você poderá cancelar a inscrição a hora que quiser
close-link

Você é  Professor(a)?

Aqui tem 5 Slides GRÁTIS    pra você baixar agora.
Baixar Slides
close-link
Close