FisiologiaAulasBioquímicaO que é

O que é Saliva: função – Onde é produzida

Entenda a importância da saliva, como é produzida e como age nos alimentos

Durante o processo de mastigação, a saliva é fundamental para iniciar a digestão química e umidificar o alimento. Todo esse processo é muito importante para as etapas da digestão do alimento.

A seguir, veremos a sua importância, função, composição, como e onde é produzida, além de algumas curiosidades.

O que é saliva

A saliva é um líquido secretado pelas glândulas salivares, que tem como objetivo umedecer as mucosas da boca e iniciar a digestão dos alimentos.

Qual a função da saliva

A função da saliva é umedecer e proteger as membranas mucosas orais e os dentes na prevenção de cáries ou outras infecções.

Ela também prepara os alimentos para sua passagem pelo esôfago e trato digestivo em geral, umedecendo-os e iniciando sua digestão.

Saliva e digestão

A saliva facilita a deglutição e prepara os alimentos para a digestão. Ele umedece os alimentos durante a mastigação para formar um “bolo alimentar“. Assim lubrificado, o alimento desliza facilmente em direção ao esôfago, o que nos impede de sufocar.

Também participa da digestão ao transformar certos componentes dos alimentos por reação química, facilitando assim sua assimilação pelo organismo.

Por fim, ela promove o funcionamento das papilas gustativas, que só funcionam em ambientes úmidos. É isso que nos permite sentir o sabor dos alimentos.

Saliva como proteção

O líquido salivar também é essencial para manter o equilíbrio fisiológico da cavidade oral. Na verdade, tem propriedades antibacterianas. Assim, evita a proliferação de microrganismos indesejados.

Esse líquido possui íons de cálcio e fosfato, e assim também evita a corrosão do esmalte dos dentes, criando uma camada protetora de moléculas em suas superfícies.

A propriedade restauradora da saliva

Ela também desempenha um papel restaurador, regulando o pH da nossa boca após a ingestão de alimentos. A questão é que, após uma refeição, o pH da boca se torna ácido.

Esse ambiente promove o desenvolvimento de bactérias responsáveis ​​por cáries. O aumento do fluxo salivar ajuda a regular esse pH e atenua os ataques de ácido.

Melhor ainda, durante esse processo, ela remineraliza o esmalte dos dentes e repara os efeitos dos ataques de ácido.     

No entanto, a sua eficácia permanece limitada. É por isso que a necessidade de beber pode ser sentida durante as refeições, ou que uma boa higiene oral continua a ser essencial, apesar de suas propriedades antibacterianas e restauradoras.  

Composição da saliva

O ser humano produz em média 500 e 1.200 mililitros de saliva por dia. Sua produção é estimulada pelo contato com o alimento, pelo cheiro ou até a memória de um tipo de alimento.

Seu principal componente é a água (99%), mas também contém íons como o sódiopotássio, cloretos e elementos orgânicos.

Também são encontradas substâncias como a ureia, glicosehormôniosRNA e proteínas, em particular enzimas digestivas como a amilase e a lipase.

Onde a saliva é produzida

A saliva é secretada pelas glândulas salivares parótidas, sublinguais e submandibulares e pelas glândulas anexas sob a mucosa.

Curiosidades sobre a saliva

Para saborear, digerir e perder peso!

Os motivos para este estímulo são muitos: em primeiro lugar, é preciso ter saliva para apreciar o sabor dos alimentos, o que é normal já que as papilas gustativas estão enterradas nas ranhuras profundas da língua e só funcionam em meio líquido.

Portanto, por umedecimento a comida com o líquido salivar podemos reconhecer o sabor doce ou salgado.

Além disso, em latim, saliva significa “secreção” e “sabor”. Pelo contrário, “se a língua não estiver suficientemente lubrificada, experimentamos sensações de queimação que tornam a comida mais amarga”.

O que você achou desse artigo? Ficou alguma dúvida? Não se esqueça de deixar seus comentários e suas dúvidas.

Leitura sugerida

Referências bibliográficas

CASTRO, Adriana Garcia Peloggia de; AMANCIO, Olga Maria Silverio. Nutrição e fisiologia dos dentes. Nutrire Rev. Soc. Bras. Aliment. Nutr, p. 87-104, 2000.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Bloqueador de anúncio detectado

Por favor, desative o desbloqueador de anúncios!Precisamos manter o site no ar. Os anúncios nos ajudam a produzir esse conteúdo grátis pra você