AulasHistologia

Características do Tecido ósseo: células, função, resumo

O tecido ósseo é um tecido conjuntivo mineralizado que apresenta quatro tipos de células: osteoblastos, células de revestimento ósseo, osteócitos e osteoclastos . O osso exerce funções importantes no organismo, como locomoção, sustentação e proteção dos tecidos moles, armazenamento de cálcio e fosfato e acolhimento da medula óssea

Apesar de sua aparência inerte, o osso é um órgão altamente dinâmico que é continuamente reabsorvido pelos osteoclastos e neoformado pelos osteoblastos. Há evidências de que os osteócitos atuam como mecano-sensores e orquestradores desse processo de remodelação óssea.

Processo de ossificação

A ossificação da cartilagem ocorre com o preenchimento dos espaços entre as células com fibras colágenas e substâncias minerais, como sais de cálcio. As células que produzem ativamente as substâncias de preenchimento dos ossos são os osteoblastos.

Eles acabam aprisionados pela grande quantidade de material produzido em seu entorno. Com a matriz óssea consolidada, os osteoblastos se transformam em osteócitos.

Completamente envolvidos pela matriz óssea, os osteócitos se mantêm vivos graças a capilares sanguíneos que continuam a levar nutrientes e oxigênio até eles.

Os ossos longos do corpo, como o fêmur, formam-se a partir de cartilagens do embrião, em um processo denominado ossificação endocondral.

fêmur - tecido ósseo
Na fase adulta cessa o crescimento humano com a ossificação total dos ossos longos, como o fêmur.

A partir de uma cartilagem, o osso em formação passa a receber irrigação sanguínea e a matriz óssea começa a se formar, endurecendo a estrutura.

Ao contrário do que ocorre no tecido cartilaginoso, o afluxo de sangue ao tecido ósseo é grande. No exemplo mostrado na figura anterior, o centro do osso em formação passa a ser uma cavidade medular e há um disco de cartilagem nas extremidades (disco epifisário), que permite o crescimento do osso.

Processo de ossificação endocondral
Processo de ossificação endocondral, que ocorre nos ossos longos do corpo, como o fêmur

Depois que o corpo para de crescer, as epífises se ossificam completamente. O tecido ósseo se mantém vivo e tem grande capacidade de regeneração, principalmente em crianças.

Neste caso, um terceiro tipo celular entra em ação, o osteoclasto. Trata-se de uma célula muito ativa, que atua produzindo substâncias capazes de digerir a matriz orgânica e dissolver os cristais de sais de cálcio.

A reparação de uma fratura implica remodelar a estrutura óssea, e demanda digerir uma parte, o que é feito pelos osteoclastos, além de produzir novamente o tecido ósseo, o que é feito a partir dos osteoblastos.

A matéria-prima essencial do osso é o cálcio, elemento químico que obtemos em nossa alimentação e que é absorvido no intestino com a ajuda da vitamina D.

A medula óssea pode ser preenchida com células adiposas, formando a chamada medula amarela. Muitos ossos têm a chamada medula vermelha, que são centros produtores de células do sangue.

Referências bibliográficas

JUDAS, Fernando et al. Estrutura e dinâmica do tecido ósseo. 2012

AIRES, Marlúcia Bastos et al. Histologia Básica. 2011.

Thiago Faruk

Thiago Faruk é biólogo formando pela USP e mestre em ensino de ciências e matemática pela Unicamp. É um grande prazer ser um colaborador do Planeta Biologia. Aqui minha função é produzir artigos e fazer curadoria de artigos que chegam até mim, fazendo correções, edições e oferecer aos nossos leitores o melhor conteúdo na área de biologia.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo