Início / Aulas / Segmentação, gastrulação e anexos embrionários

Segmentação, gastrulação e anexos embrionários

A  fecundação do óvulo por um espermatozoide forma uma única célula, que passa a ser denominada zigoto, sendo que logo em seguida ela passará pelas fases de segmentação, gastrulação e anexos embrionários serão formados. Ela representa o início de um novo ser nos organismos animais. Esse desenvolvimento se dá por fases bem distintas que iremos detalhar logo depois do vídeo abaixo. Assista antes e depois continue a leitura.

Para que esse novo organismo se forme a partir do zigoto, ele deve passar por uma série de modificações progressivas, que compreendem a multiplicação celular acompanhada de diferenciação. Nisso consiste a embriogênese.

À medida que as modificações vão se sucedendo, o novo ser, já considerado um embrião, vai tomando formas diferentes, cada uma delas com denominações particulares.

Você sabe quais são as modificações que ocorrem no óvulo após ser fertilizado por um espermatozoide?

Fases da embriogênese animal

A embriogênese animal caracteriza-se por uma sucessão de fenômenos na seguinte ordem: segmentação ou clivagem, gastrulação e organogênese.

Segmentação, gastrulação e anexos embrionários.

Vejamos em mais detalhes estas três fases importantes no desenvolvimento embrionário. Veja uma aula sobre Reprodução Sexuada.

Segmentação

Logo após a fecundação, o zigoto (célula-ovo) começa a se dividir por mitose. A essas divisões iniciais do zigoto dá-se o nome segmentação ou clivagem. O ritmo das mitoses depende da quantidade e distribuição de vitelo no óvulo fecundado. De um modo geral, é mais lento na região em que se concentra maior quantidade de vitelo, que corresponde ao polo vegetativo. A região onde se localiza o núcleo corresponde ao polo animal.

segmentação, gastrulação e anexos embrionários

Cada uma das células resultantes da segmentação denomina-se blastômero. À medida que as mitoses se sucedem, os blastômeros diminuem de tamanho, de modo que o tamanho do embrião com 16, 32 ou mais células é praticamente igual ao tamanho do zigoto inicial. O aspecto do embrião, após sucessivas divisões, é o de uma pequena amora; é o primeiro estágio embrionário e recebe o nome mórula.

Pela presença maior ou menor de vitelo e sua distribuição no ovo, a segmentação pode ser total (holoblástica) ou parcial (meroblástica).

A segmentação total pode ser igual ou desigual. É igual quando todos os blastômeros são aproximadamente do mesmo tamanho e ocorre com ovos oligolécitos ou isolécitos. É o que acontece, por exemplo, com o ovo do anfioxo.

A segmentação é desigual quando resultam blastômeros pequenos ou micrômeros, no polo animal, e grandes ou macrômeros, no polo vegetativo. Ocorre em todos os ovos heterolécitos, como os da rã.

A segmentação parcial ocorre somente na região do polo animal do ovo, que contém o citoplasma e o núcleo. Verifica-se nos ovos telolécitos (ou megalécitos) dos répteis e aves e nos ovos centrolécitos dos insetos.

A segmentação do ovo resulta numa massa de células que começa a aumentar de tamanho devido ao aparecimento de uma cavidade em seu interior. Fica assim caracterizado o segundo estágio embrionário, denominado blástula. A cavidade é a blastocele, e a camada de células que a envolve é a blastoderme.

Na embriogênese humana, a fase de blástula é denominada blastocisto. As células formadas no seu interior são consideradas células–tronco porque são capazes de se diferenciar em vários tipos de células.

Aulas relacionadas ao tema dessa aula:

Células Tronco

Diferenciação celular em cordados

Gastrulação

As células da blástula são reagrupadas, diferenciando-se em camadas, ou seja, nos folhetos embrionários ectoderme mesentoderme. Esse fenômeno constitui a gastrulação, e o embrião entra no terceiro estágio embrionário, denominado gástrula.

gastrualçao

A gástrula caracteriza-se por apresentar uma cavidade, o arquêntero, ou intestino primitivo, que se comunica com o exterior por uma abertura, o blastóporo. Este pode evoluir e formar a boca ou o ânus. Quanto a essa evolução, os animais são classificados em protostômios e deuterostômios. Nos protostômios (do grego protos = primitivo, anterior, + stoma = abertura, boca), o blastóporo origina a boca; e nos deuterostômios (do grego deutero = superior, posterior, + stoma = abertura, boca), origina o ânus.

No final do estágio de gástrula, começam a esboçar-se grandes mudanças, que culminam com o aparecimento da mesoderme, do celoma e do sistema nervoso. A mesoderme é um terceiro folheto embrionário, formado a partir da mesentoderme, que origina também a endoderme. O celoma é uma cavidade localizada entre duas camadas mesodérmicas: a somatopleura e a esplancnopleura. Nos animais cordados forma-se ainda um cordão dorsal longitudinal, a notocorda, que serve de eixo de sustentação do embrião. Todos os vertebrados são cordados.

O aparecimento do terceiro folheto embrionário na gástrula não é regra geral para todos os animais. Por isso, costuma-se agrupá-los em diblásticos, os que derivam de ectoderme e mesentoderme, e em triblásticos, os que derivam de ectoderme, mesoderme e endoderme.

Os animais triblásticos apresentam níveis diferentes de organização, porque muitos deles não formam celoma ou formam um pseudoceloma. Daí se falar em animais triblásticos acelomados ou sem celoma – caso de um grupo de animais denominado platelmintos; em animais triblásticos pseudocelomados ou com falso celoma – caso de certos vermes, como a lombriga; e em animais triblásticos celomados – caso da maioria dos animais.

Ectoderme – formará a epiderme, o revestimento da boca e do ânus, os órgãos sensoriais e o sistema nervoso.

Mesoderme – formará a derme, os músculos, os ossos, as cartilagens, os órgãos excretores e genitais, os órgãos do sistema cardiovascular e as serosas que envolvem os órgãos.

Endoderme – formará o revestimento interno do tubo digestório, suas glândulas anexas e o revestimento interno dos órgãos do sistema respiratório e da bexiga urinária.

Organogênese e Morfogênese

Clique no link acima para ter uma visão mais detalhada sobre a organogênese e morfogênese.

Anexos embrionários

Os embriões dos vertebrados desenvolvem estruturas especiais importantes para a vida embrionária: o saco vitelínico, presente em todos os vertebrados, e o alantoide, âmnio e o cório, que se formam em répteis, aves e mamíferos.

saco vitelínico envolve o vitelo e garante a nutrição do embrião.

feto anexos embrionários

alantoide origina-se do tubo digestório e tem a forma de uma bolsa alongada. Atua como órgão respiratório e excretor (acúmulo de ácido úrico) do embrião. Regride nos mamíferos.

âmnio é um saco membranoso cheio de líquido — o líquido amniótico – que envolve todo o embrião. Tem função protetora contra choques mecânicos e defesa contra a dessecação.

cório é a membrana mais externa do embrião, que se justapõe à casca dos ovos de répteis e aves. Nos mamíferos, com raras exceções, o cório interage com o revestimento interno do útero e forma inúmeras projeções, as chamadas vilosidades coriônicas. Estas penetram na parede uterina e, mais tarde, dão origem à placenta, através da qual o embrião passa a ser alimentado. O cório, além de participar da formação da placenta, envolve externamente todo o embrião, ficando o âmnio logo abaixo dele. O alantoide, bastante reduzido, não tem a importante função que desempenha nos répteis e nas aves, pois tanto as trocas gasosas quanto a eliminação de excretas se fazem através da placenta.

anexos-embrionários

Veja também uma aula sobre Desenvolvimento Embrionário Humano.

…âmnio, você conhece um exame chamado amniocentese? Sabe para que ele serve?

A amniocentese é um método com o qual é possível a obtenção de células para cariotipagem e diagnóstico de aberrações cromossômicas mesmo antes do nascimento da criança. Esse procedimento é realizado através da punção do abdome materno com uma agulha para a retirada de uma amostra do líquido amniótico da bolsa amniótica que envolve o feto. Esse líquido contém células fetais que podem ser cultivadas. Essa técnica não é totalmente isenta de riscos para o feto, mas é bastante útil para a cariotipagem de bebês de mães com história de anormalidade cromossômica, ou naquelas onde é alta a probabilidade de conceber uma criança afetada.

O único anexo embrionário de ciclóstomos, peixes e anfíbios é o saco vítelínico.

  •    Anamniotas e analantoideanos – não possuem âmnio nem alantoide. Exemplos: ciclóstomos, peixes e anfíbios.

•    Amniotas e alantoideanos – possuem os dois anexos embrionários. Exemplos: répteis, aves e mamíferos.

E aí?o que achou da aula segmentação, gastrulação e anexos embrionáriosSua opinião é muito importante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não vai embora ainda!
Quer material pra estudar ou dar aula?
Inscreva-se grátis! 
Inscrever-se
Lembre-se, você poderá cancelar a inscrição a hora que quiser
79 Slides profissionais   Biologia e Ciências     R$ 19,00
QUERO VER OS SLIDES

Você é 
Professor(a)?

Tem um slide GRÁTIS em powerpoint pra você baixar agora. 
Baixar Slide