Aulas

Classe Scyphozoa – os cifozoários

O que são, características, exemplos de cifozoários, reprodução, alimentação

A classe Scyphozoa faz parte do filo dos cnidários. Seus principais representantes são as medusas (água-viva). Os cifozoários exibem as principais características dos cnidários. Têm simetria radial e são diblásticos, o que significa que a parede do corpo é composta pela epiderme externa (ectoderma) e gastroderme interna (endoderma), separados pela mesogleia. Eles possuem cnidócitos, que são característicos do filo.

Eles sofrem alternância de gerações, com a forma de medusa sendo dominante. As medusas nada mais são as “águas-vivas” com as quais a maioria das pessoas está familiarizada.

Existem aproximadamente 200 espécies de cifozoários organizadas em quatro ordens. Os cifozoários mais comuns incluem Aurélia sp (a geleia lua) e Cyanea sp.

Os cnidários da classe scyphozoa vivem em todos os oceanos, do Ártico às águas tropicais. Alguns habitam o mar profundo, mas a maioria vive perto das águas costeiras. A maioria são animais móveis, mas os membros da ordem Stauromedusae são sésseis, ou seja, vivem em substratos.

Reprodução de um scyphozoa

O ciclo de vida de um cifozoário varia de ordem para ordem. As medusas são gonocóricas, ou seja, podem mudar de sexo.

O desenvolvimento pode ser direto ou indireto. No desenvolvimento direto, quando um ovo eclode já saí dali um cifozoário jovem. No desenvolvimento indireto, há uma fase larval e só depois de uma metamorfose é que o indivíduo chega a fase adulta.

scyphozoa-cifozoários

Uma larva, chamada de plânula, que sofre metamorfose também poderá dar origem a um pequeno pólipo chamado de cifístoma. Esse pólipo geralmente produzem mais cifístoma assexuadamente. Ao se desenvolver, o animal sofrerá novas transformações e formará uma medusa imatura chamada éfira. À medida que a formação das éfira se completa, cada uma se rompe e eventualmente se transforma em uma medusa adulta sexualmente reprodutora.

Os pólipos e medusas do cifozoário não exibem cefalização e não contêm cérebro, mas em algumas espécies, os pontos sensíveis à luz localizam-se ao longo da margem do sino da medusa.

As medusas da classe scyphozoa diferem das dos hidrozoários na ausência de um véu. Um cifomedusa se locomove contraindo e relaxando os “músculos” do sino.

A contração empurra a água para fora, impulsionando a gelatina de um jeito que parece um jato. Em torno da boca dos membros da ordem Semaeostomeae são quatro braços orais que arrastam atrás do sino e pode atingir um comprimento de 40 metros.

Os nematocistos (estruturas presentes nos cnidoblastos) nos braços orais são usados para defesa e captura de presas. Os cifozoários, como todos os cnidários, são todos carnívoros e alguns são filtradores.

Muitas águas-vivas menores se alimentam de partículas de comida presas na água, enquanto as maiores se alimentam de peixes ou invertebrados nadando.

Aos membros da ordem Rhizostomeae falta bocas centrais; em vez disso, cada um tem estruturas muito parecidas com os braços orais, nos quais muitas bocas reduzidas se abrem.

Um membro bastante comum da Rhizostomeae , a água-viva tropical Cassiopeia , contém dinoflagelados simbióticos no interior dos tecidos do corpo, e encontra-se de cabeça para baixo em zonas ensolaradas pelo que a sua algas podem assim fazer fotossíntese e assim recebe a maior parte de sua energia dos carboidratos fixados pelas algas.

A coloração em alguns cifozoários provém das gônadas ou outras estruturas internas. O sino de alguns é profundamente pigmentado.

Os cifozoários podem ser um incômodo para os seres humanos quando se arrastam pelas praias ou se os humanos entrarem em contato com eles na água. Uma picada de uma água-viva pode ser muito desagradável e até causar a morte.

Os cifozoários podem ser um incômodo para a indústria pesqueira ao entupir redes quando se acumulam em cardumes ou grupos, que podem ter muitos quilômetros de extensão. No entanto, algumas pessoas comem geleias, que são consideradas uma iguaria. O registro fóssil de Scyphozoa é ruim devido ao fato de que eles são feitos principalmente de água e não possuem partes duras.

Assuntos Relacionados

Referências:

Cifonauta – Link

Daniel Pereira

Daniel Pereira é biólogo graduado pela Unesp e atualmente faz especialização em ensino de ciências e matemática. Professor de ciências e biologia é também o fundador do site Planeta Biologia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar