Aulas

Filo dos Platelmintos: características, reprodução, fisiologia, resumo

Sistema digestório, excretor, nervoso dos vermes achatados e muito mais

Filo dos Platelmintos: características, reprodução, fisiologia, resumo
4.6 (92%) 10 voto[s]

O Filo dos Platelmintos são representados pelos vermes de corpo achatado. São animais invertebrados. Veremos suas principais características, classificação, fisiologia, reprodução e principais as doenças que esses vermes causam

Entre seus principais representantes estão as planária, a tênia e o esquistossoma. Os vermes desse filo podem causar várias doenças em animais inclusive em humanos. Por isso, é assunto sempre presente em Enem e vestibulares do país. Vamos à uma vídeo aula logo abaixo.

Se você gostou do slide usado no vídeo, role até o fim da página que lá você vai encontrar o material usado para fazer o vídeo.

Significado de platelmintos – Filo Platyhelminthes

A palavra platelmintos é de origem grega. A palavra que dá origem é Platyhelminthes. O significado dessa palavra você vê logo abaixo:

Platy = chatos  Helminthes= vermes

Logo em uma tradução literal, significaria vermes chatos ou ainda vermes planos.

 Principais Características dos Platelmintos

São vermes de corpos achatados, triblásticos, não possuem celoma, ou seja, são acelomados, sua simetria é bilateral, pois o corpo é igual no lado esquerdo e direito, e não possuem protostômio.

O sistema nervoso é ganglionar, ou seja, há o início da formação do encéfalo. É também nos platelmintos em que aparece o primeiro sistema excretor, porém ainda de forma bastante rudimentar.

São animais que são encontrados principalmente em ambiente aquático, tanto em água doce quanto em água salgada. Também são encontrados em solos úmidos e como hospedeiros no interior de outros animais.

Fisiologia

Os vermes achatados possuem sistema digestório incompleto ou ausente. No sistema digestório incompleto o alimento digerido sai pelo mesmo lugar que entra, isso que caracteriza um sistema digestório incompleto.

Esses animais não possuem um sistema respiratório nem circulatório. Portanto, as trocas gasosas  e absorção de nutrientes ocorre por difusão.

É nos platelmintos em que aparece pela primeiro vez o sistema excretor que realiza suas funções através das células-flama e solenócitos.

Podem ser animais monoicos ou dioicos. Há tantos animais de sexo separados quanto animais hermafroditas.

Digestão e sistema digestório

Os platelmintos tem um sistema digestório incompleto, ou seja, a comida entra pelo mesmo canal por onde saem as fezes. A boca é o canal de entrada e saída. Os platyhelmintes não possuem ânus.

Apesar de possuírem um ânus, os platelmintos possuem um intestino simples, mas bastante ramificado. Isso facilita bastante a digestão, absorção e distribuição do alimento digerido.

O alimento não digerido formará as fezes que por sua vez será eliminada pela boca. A faringe das planárias é exteriorizada (protátil) para facilitar a obtenção do alimento.

aringe das planárias é exteriorizada (protátil)

A digestão dos platelmintos pode ser intracelular e extracelular. A digestão extracelular começa na boca e termina dos intestinos. Enquanto a digestão extracelular acontece no interior das células com o auxilio de enzimas digestivas presentes no interior das células.

Sistema nervoso dos platelmintos

O sistema nervoso dos platelmintos é ganglionar, e é primeiro sistema nervoso do reino animal a apresentar um processo de cefalização. Isto que dizer que esses vermes possuem na região da cabeça algumas estruturas nervosas. Possuem também um par de ocelos que vão ajudar na percepção da luz.

Há dois gânglios que se ligam  a dois cordões nervosos que vão ligar todo o corpo dos platelmintos até a região da cabeça.

Ocelos

Existe ainda na região da cabeça estruturas chamadas de aurícolas. Sua função é perceber as substâncias químicas presentes na água para que animal possa interpretar mudanças no ambiente em que vive.

Circulação

Não existe sistema circulatório nos platelmintos. Os nutrientes são enviados para todo o corpo dos platelmintos através do intestino, que se ramifica por todo o corpo.

Como não há circulação os nutrientes passam de célula para célula através de difusão

Respiração

A respiração dos platelmintos é cutânea, ou tegumentar. A troca de gases como o oxigênio e o gás carbônico ocorre na epiderme do verme.

A troca de gases se dá por difusão simples, ou seja, os gases passam de célula para célula, pois não o existe um sistema respiratório nos platyhelminthes.

Excreção

O sistema excretor dos platelmintos é formado por estruturas como o protonefrídio. É nessa estrutura que se encontram as células-flama. Células-flamas também podem ser chamadas de solenócitos.

As células-flama possuem flagelos que movimentam o líquido no protonefrídio. Esse movimento vai ajudar na filtragem desse líquido e na formação de resíduos que deverão ser eliminados.

Depois que o líquido é filtrado no interior do protonefrídio, os resíduos em um sistema de ductos tubulares. Esses ductos chegam até a epiderme dos platelmintos e chegam até a parte exterior dos animais, onde os resíduos serão eliminados.

protonefrídio célula-flama

Os platelmintos são os primeiros a apresentarem sistema excretor, sendo portanto uma novidade evolutiva.

Como os platelmintos se locomovem

A locomoção dos platelmintos se dá por meio de ondas musculares e pela movimentação dos cílios. Já as espécies parasitárias, se movimentam dependendo do seu hospedeiro. Essas espécies conseguem se fixar nos hospedeiros através de glândulas que possibilitam que essas espécies se fixem.

Embriologia

Em relação a formação dos folhetos embrionários os platelmintos são triblásticos, ou seja, possuem os três folhetos germinativos:

  • endoderme
  • mesoderme
  • ectoderme

Durante a fase embrionária, a endoderme vai dar origem ao intestino e o sistema excretor. A mesoderme vai originar aos músculos e os tecidos de preenchimento. A ectoderme vai formar os tecidos de revestimento e  sistema nervoso.

platelmintos são triblásticos

São os primeiros animais a apresentarem essa característica.

Os platelmintos são acelomados, ou seja, não possuem o celoma que é uma cavidade interna.

Reprodução dos platelmintos

A reprodução dos platelmintos pode ser tanto sexuada quanto por reprodução assexuada.

Na reprodução sexuada ocorre troca de material genético enquanto na reprodução assexuada não. A reprodução assexuada foi exaustivamente estudada nas planárias e são muitos utilizadas como exemplos neste tipo de reprodução. A reprodução assexuada mais comum nas planárias ocorre por regeneração, quanto uma planária é partida em dois  estes pedaços se regeneram em dois animais.Filo Platelmintos - os vermes achatados

Classificação dos Platelmintos

Os Filo Platelmintos se divide em três classes principais:

  • Turbelários
  • Trematódeos
  • Cestoda 

Vamos as características principais de uma dessas classes.

Classe dos Turbelários

Tem como principal representante a planária e a lesma do mar. São os únicos animais desse filo que possuem vida livre e não são parasitas.

Classe dos Trematódeos

É a classe do Schistossoma mansoni, causador da esquistosomose. São parasitas. Os animais são dioicos e possuem um ciclo de vida com um animal vetor que é o caramujo Biomphalaria sp (planorbídeos) que é seu hospedeiro intermediário. A ocorrência desse parasitismo está relacionado a precariedade do saneamento básico.

Classe dos Cestoda

E dos agentes causadores da solitária ou teníase e  da cisticercose. Todas essas verminoses são causadas pelas espécies Taenia saginata e Taenia soliumSão animais monoicos, ou seja, hermafroditas.  E o seu ciclo de vida se dá com vários animais, entre eles, o gado, ser humano e porco.

Doenças causadas por platelmintos

Entre as principais doenças causadas por platelmintos podemos destacar alguma delas:

  • Esquistossomose
  • Teníase ou solitária
  • cisticercose
  • Hidatidose
  • Fasciolose

Para entender melhor cada uma dessas verminoses veja as principais doenças causadas por platelmintos.

Entenda o ciclo da esquistossomose

doenças causadas por platelmintos

Veja na imagem o ciclo de vida da Tenia solium 

Filo Platelmintos - os vermes achatados

 Filo Platelmintos – os vermes achatados: considerações finais

Os platelmintos podem ser considerado um sucesso evolutivo, pois apesar de sua estrutura frágil, esses animais estão distribuídos por todo o globo terrestre, nos mais variados ambientes aquáticos. Em relação as doenças, são indicativos de saneamento básico, pois em regiões precarizadas sua ocorrência tende a ser maior. Veja a aula Doenças causadas por platelmintos aqui no site e aprofunde seus conhecimentos.

Para uma melhor experiência da aula Filo Platelmintos – os vermes achatados, veja o slide no topo desta página. No slide você encontrará muitas imagens para melhor ilustrar o entendimento sobre os platelmintos.

Slide sobre o Filo dos Platelmintos usado para fazer a vídeo aula

Gostou desse Slide? Tem um kit completo com mais de 100 slides. Se quiser saber mais é só clicar no link Kit Slides de Biologia

Não esqueça de dizer o que achou da aula. Deixe também suas sugestões.

Exercícios e Atividades

O que você achou da aula? Será que você é capaz de responder as perguntas abaixo?

  1. Como é feita a excreção dos platelmintos?
  2. Como é a circulação dos platelmintos?
  3. O que os platelmintos se alimentam?
  4. Onde e como vivem as Planarias?
  5. Como as planárias se alimentam?

Se você está com alguma dúvida da aula Filo Platelmintos – os vermes achatados, deixe seu comentário que sempre respondemos a todas as dúvidas.

Leitura sugerida

Referências bibliográficas

DO NASCIMENTO, Luiza Cristina Silva; BEZERRA, Raissa Souza; ALMEIDA, Lúcia Maria. O uso de modelização como estratégia didática no ensino de platelmintos. Carpe Diem: Revista Cultural e Científica do UNIFACEX, v. 13, n. 1, p. 93-106, 2015 < https://periodicos.unifacex.com.br/Revista/article/view/636 >

DOLABELLA, Silvio Santana; BARBOSA, Luciene. HELMINTOS-FILO PLATELMINTO < http://www.cesadufs.com.br/ORBI/public/uploadCatalago/09494209052012Fundamentos_de_Parasitologia_Aula_4.pdf >

CK-12 < Link >

 

Daniel Pereira

Daniel Pereira é biólogo graduado pela Unesp e atualmente faz especialização em ensino de ciências e matemática. Professor de ciências e biologia é também o fundador do site Planeta Biologia

9 Comentários

  1. Trabalho de última hora, me salvou de um zero só passei aqui pra agradecer. Usei os slides para apresentação do seminário e minha professora adorou.

  2. Gostei muinto da aula foram bem sintetcos e objectivos na abordagem. Estou a preparar um teste e com essaa neste conteudo mi sinto pronta para realizar o teste.

  3. chamam-me Rosário Artur Sapalo; gosto tanto de biologia e química porque é a minha opção. gostei bastante da aula e aprendí continuam sempre brigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar