Aulas

Filo dos Moluscos Características, Reprodução, Fisiologia Resumo

Filo Mollusca: veja curiosidades, exemplos e muito mais

O Filo dos moluscos é dos animais de corpo mole. São invertebrados presentes nos mais variados ambientes. São um dos grupos do Reino Animal mais abundantes, só ficam atrás dos artrópodes em diversidade e quantidade. Os exemplos mais conhecidos do Filo Mollusca são os polvos, as lulas, lesmas, os caracóis, mexilhões e os caramujos.

Os animais do filo mollusca podem ser encontrados por todo o planeta. São encontrados em ambientes terrestres, em montanhas, em fossas abissais, em lugares quentes ou frios, mas são predominantes em habitats marinhos.

Veja uma vídeo-aula  logo abaixo e logo depois com a leitura. O Slide usado na aula poderá ser encontrado no fim da página. Aproveite!

O que são moluscos

Molusco é um dos filos do reino animal. São animais invertebrados de corpo mole. Podem ser protegidos por uma conha de calcário ou não. Seu nome vem do latim Mollusca, que significa corpo mole.

Há uma enorme variedade de forma desses animais. Nesse filo podemos encontrar desde lulas gigantes com quase 30 metros, até pequenos bivalves microscópicos medindo menos de 1 milímetro de comprimento.

Principais características dos moluscos

Todos os animais do filo mollusca possuem corpo mole, eles também possuem simetria bilateral, ou seja, lado direito e esquerdo são iguais, ou pelo menos muito parecidos.

Podem ser providos ou não de uma concha calcária com uma ou mais peças. Há representantes marinhos, dulcícolas e terrestres.

Apresentam um alto grau  de complexidade  fisiológica e anatômica se comparado com os outros animais estudados até aqui.

Podemos dividir o corpo dos moluscos em três partes básicas: a cabeça, a massa visceral e os pés

Na cabeça é onde se concentram os órgão do sistema nervoso. A massa visceral guarda os órgão do sistema reprodutor, digestório, excretor, respiratório e circulatório.

Na massa visceral existe um estrutura chamada de manto. Essa estrutura será a responsável por produzir uma proteção de calcário, a concha.

Em relação ao seu desenvolvimento embrionários são animais triblásticos e possuem o celoma.

Em relação a sua fisiologia possuem vários órgãos verdadeiros. Além disso apresentam também sistemas digestório, circulatório, respiratório excretor e nervoso.

A reprodução destes animais é diversificada. Existem os hermafroditas (monoicos) e de sexos separados (dioicos). A fecundação pode ser tanto interna quanto externa e o ovo pode se desenvolver direta ou indiretamente.

Anatomia dos Moluscos

A anatomia dos moluscos é bastante diversificada, já que há uma grande variedade desses animais na natureza. Mesma assim, a anatomia básica é bastante semelhante em todos os moluscos. Veja as principais estruturas na imagem abaixo.

https://www.youtube.com/watch?v=08weUNoLPuY

Entre as principais órgãos e estruturas anatômicas dos moluscos podemos citar:

  • Manto
  • Rádula
  • Concha (nem todos moluscos possuem)
  • Gânglio cerebral
  • Boca Papo
  • Glândula salivar
  • Pulmão
  • Gônadas
  • Glândula de Albumina
  • Ducto Espermático
  • Oviducto
  • Coração
  • Tentáculo oculífero

Fisiologia dos Moluscos

Moluscos possuem vários sistemas funcionais, como um sistema digestório completo, um sistema circulatório, nervoso, respiratório e  excretor. Vejamos então cada um deles.

Sistema digestório

Os moluscos possuem um sistema digestório completo, ou seja, possuem boca e ânus. Além disso possuem órgãos como papo, esôfago, estômago e intestino. Possuem também glândulas associadas ao sistema digestório.

sistema digestório completo

Algumas classes do filo mollusca possuem ainda uma estrutura chamada rádula, que funciona com uma língua com vários dentículos. Sua função é raspar o alimento e empurrá-lo para o interior dos sistema digestório.

Filo Mollusca

Depois que o alimento passa pela boca, seguirá para o esôfago que se ligará ao estômago. No estômago dos moluscos há várias glândulas anexas que secretam enzimas digestivas para o interior do estômago.

Depois desse processo o alimento será encaminhado para um intestino, que é bem longo para os nutrientes possam ser absorvidos pelo sistema circulatório do animal. O intestino é enrolado lembrando a estruturas de um intestino delgado. Ao fim desse intestino, a parte do alimento que não for aproveitada será eliminada na forma de fezes pelo ânus.

A digestão predominante nos moluscos é extracelular, mas há também um pouco de digestão intracelular.

Sistema circulatório dos moluscos

O sistema circulatório dos moluscos pode ser de dois tipos:

  • Sistema circulatório aberto ou lacunar: quando o sangue circula em parte em vasos e sai para espaços entre as células (hemocele).
  • Sistema circulatório fechado: quando o sangue circula exclusivamente por vasos sanguíneos.

Filo dos Moluscos Características, Reprodução, Fisiologia Resumo

A maioria dos animais do filo mollusca possui circulação aberta. O sangue dos moluscos possui coloração azulada devido a um pigmento chamado hemocianina.

Os Moluscos possuem ainda um coração localizado na parte posterior do animal que vai bombear o sangue por todo o corpo. Do coração saem artérias que se distribuem pelo organismo e caem em cavidades chamadas hemoceles nos animais que tem sistema circulatório aberto.

Sistema Respiratório dos Moluscos

O sistema respiratório dos molusco pode ser de três tipos:

  • Pulmonar: presente nos animais terrestres
  • Branquial: presente do animais de habitats aquáticos
  • Cutânea: também está presente em alguns animais terrestres mas como complemento da respiração pulmonar.

Apesar dos tipos de respiração ser de dois tipos, as estruturas de respiração podem variar bastante. Há algumas espécies que utilizam as cavidades do manto para funcionar com um saco pulmonar.

As espécies aquáticas possuem uma estrutura chamada de ctenídio. Essa é uma estrutura filamentosa parecida com um pente e de fato vai funcionar como brânquia nos animais aquáticos.

Filo Mollusca: veja curiosidades, exemplos e muito mais

A respiração cutânea está presente apenas em alguns animais terrestres como as lesmas. Os animais que possuem respiração cutânea também possuem respiração pulmonar sendo que as trocas gasosas são realizadas principalmente pelos pulmões.

Sistema Nervoso e Sensorial

sistema nervoso dos moluscos é do tipo ganglionar

O sistema nervoso dos moluscos é do tipo ganglionar. É bastante desenvolvido principalmente em predadores como a lula e o polvo.

Há de três a quatro gânglios que se ligam a um anel de nervos circulando a região do esôfago. A partir daí vários outros nervos se ligam a outras regiões do corpo.

Na classe dos cefalópodes há um gânglio bem desenvolvido que se assemelha a um cérebro de um vertebrado. Esse desenvolvimento permite a esses moluscos um sistema sensorial muito eficiente. Além disso podem realizar várias atividade bastante elaboradas.

O sistema sensorial dos moluscos é bastante variado. A maior parte possui uma estrutura chamada de estatocisto que dará a capacidade desses animais perceberem as mais sutis mudanças no ambiente e a localizar sua posição no ambiente.

Alguns possuem olhos bem desenvolvidos, como é o caso dos cefalópodes. Além disso vários moluscos possuem terminações nevosas em seus tentáculos. Isso vai permitir a esses animais realizar uma série de atividades.

Sistema excretor dos Moluscos

O sistema excretor dos moluscos localiza-se na cavidade celomática. As estruturas excretoras são os nefrídios. Elas serão as responsáveis por filtrar o sangue  e o líquido celomático e eliminar as excretas nitrogenadas.

Tanto o sangue quanto o líquido celomático entrarão por uma abertura do nefrídio: o nefróstoma. 

Os cefalópodes novamente, são a classe de molusco que apresentam o sistema excretor mais desenvolvido. Os nefrídios se encontram bastante organizados e assim formam uma espécie de rim primitivo.

Reprodução dos Moluscos

A reprodução dos moluscos e sexuada, ou seja, há troca de gametas. Os animais do filo mollusca podem ser tanto monóicos quanto dioicos. Isso vai depender da espécie em questão. Mas o que essas duas palavras significam:

  • Monoico: um único individuo tem os dois sexos, ou seja, são hermafroditas.
  • Dioicos:  os indivíduos possuem sexos separados, ou seja, há um macho e uma fêmea.

A fecundação pode ser de dois tipos:

  • fecundação interna: quando os gametas são lançados no interior da fêmea
  • fecundação externa: quando os gametas são liberados na água.

O desenvolvimento pode ser de duas formas também:

  • desenvolvimento indireto: quando os animais apresentam uma fase larval e se tornam adultos depois de passas por uma metamorfose;
  • desenvolvimento direto: quando o ovo eclode o animal é um jovem, que apresenta as características básicas par a forma adulta.

Classificação dos Moluscos

Há várias classes de moluscos das quais três se destacam. São elas: cefalópodes, gastrópodes e  bivalves. Há ainda outras quatro classes. Podemos dizer que as principais classes classes do filo mollusca são:

  • Classe Cephalopoda
  • Classe Gastropoda
  • Classe Bivalvia
  • Classe Scaphoda
  •  Classe Polyplacophora
  • Classe Aplacophora
  • Classe Monoplacophora

Cefalópodes – Classe Cephalopoda

Os cefalópodes (do grego Cabeça + Pés) são animais extremamente inteligentes. As lulas e os polvos são seus representantes mais conhecidos. Caracterizam-se justamente pelo modo como seu corpo é organizado, em que seus tentáculos ou pés com ventosas estão ligados diretamente a cabeça.

Filo dos Moluscos Características

Há apenas animais marinhos nesta classe. São predadores carnívoros muito astutos. Sua respiração se dá através das branquias.

Há animais providos de conchas ou não. É ausentes nos polvos, externas no náutilos e interna nas lulas.

Possui um sistema circulatório fechado e o pigmento respiratório da maioria é a hemocianina, porém há alguns representantes desta classe que carregam a hemoglobina como pigmento respiratório.

Os sexo nesses animais são separados e a fecundação é interna.

Há mecanismo de defesa e sobrevivência bastante interessantes em animais como a lula e o polvo. Eles podem mudar de cor graças a presença de células denominadas cromatóforos.Possuem também uma glândula produtora de tinta para formar uma cortina escura escura na água, facilitando a fuga do animal.

Os cefalópodes possuem ótima visão e são exímios caçadores. Seus órgãos sensoriais são bastantes desenvolvidos o que os tornam excelentes predadores marinhos.

Gastrópodes – Classe Gastropoda

Os gastrópodes (do grego estomago + pés) é a classe com maior número de espécies entre os moluscos. Seus principais representantes são os caracóis, caramujos e lesmas.

Podem ter conchas presentes como no caso dos caracóis e caramujos ou ausentes, como nas lesmas. Essa classe de molusco pode ser encontrada em ambientes dulcícolas, marinhos e terrestres.

Os que vivem na água tem respiração branquial e os que vivem na terra possuem uma estrutura conhecida como cavidade paleal e funcionam como uma espécie de pulmão.

caracol caramujo, lesma

A maioria são herbívoros, mas há também os predadores carnívoros. Podem ser hermafroditas ou possuírem sexos separados. A fecundação é na maioria dos casos interna.

Entre os gastrópodes há o caramujos Biomphalaria, que é hospedeiro intermediário do agente causador da esquitossomose, como já foi estudado aqui em outra aula.

Veja a aula sobre os platelmintos e entenda como é o ciclo da esquistossomose.

Bivalves – Classe Bivalvia

Os bivalves são chamados também de pelecípodes. Seus representantes são os mexilhões e as ostras. São animais marinhos ou de água doce que possuem um exoesqueleto duplo revestindo o corpo.

Este exoesqueleto pode se abrir para expor o corpo do animal. São filtradores e alimentam-se principalmente de fitoplâncton e nutrientes em suspensão na água.

ostras mariscos caramujos

Possuem grande importância econômica, pois podem servir de alimento e outros podem produzir pérolas. Há animais hermafroditas  os de sexo separado, a fecundação é externa e o desenvolvimento ocorre de forma indireta.

A maioria dos bivalves são dioicos, ou seja, tem o sexo separado. Há um macho e uma fêmea.

Escafópodes – Classe Scaphoda

Escafópodes são moluscos encontrados apenas em águas salgadas. São caracterizados por uma concha calcária aberta de dois lados em forma de cone. Seu representante mais conhecidos são as conha-dente.

conha-dente

A maioria desses animais tem vida bentônica, ou seja, vivem no fundo. Em geral são bem pequenos e seu tamanho pode variar de alguns milímetros até no máximo 15 centímetros

Poliplacóforos – Classe Polyplacophora

Os poliplacóforos são animais marinhos. Entre suas principais características está uma conha bastante reforçada  com oito valva (oito partes sobrepostas) cobrindo praticamente todo o corpo, uma cabeça pequena em comparação ao resto do corpo.

quítons

Não possuem nem olhos e nem tentáculos. Alimentam-se principalmente de algas e nutrientes presos em substratos. Seus principais reapresentantes são os quítons  e podem ser encontrados desde águas rasas até grande profundidades.

Classe Aplacophora

Os aplacóforos são animais vermiformes. Sua principal característica é a presença de uma espícula calcária que vai dar a forma de verme a esse animal. Não possuem nem pés nem tentáculos.

Classe-Aplacophora

São animais geralmente encontrados a mais de 80 metros de profundidade e é bastante comum encontrá-los entre os tentáculos de anêmonas do mar, que são cnidários.

Classe Monoplacophora

A principal característica desse animal é a presença de uma placa única que cobre seu corpo. São animais encontrados apenas em grandes profundidades.

Classe Monoplacophora

Os animais da classe monoplacophora são verdadeiros fósseis vivos. Acredita-se que esses animais haviam sido extintos.

Alimentação e Habitat

A alimentação dos moluscos é muito variada. Algumas espécies alimentam-se algas que ficam presas em pedras. Há moluscos que se alimentam de animais mortos e até fezes de outros animais. Alguns ainda são filtradores e se alimentam de nutrientes em suspensão na água.

Há também os predadores e carnívoros, como é o caso da maioria dos cefalópodes. Esses animais tem uma dieta bastante variada e comem desde peixes, ouriços e até estrelas do mar.

Os Moluscos terrestres alimentam-se principalmente de plantas e de suas partes como as flores e folhas.

Os animais do filo mollusca podem ser encontrados em muitos habitats diferentes. Nos mais diferentes tipos de ambientes terrestres, desde que tenha alguma umidade. São encontrados até em montanhas com mais de 5000 metros de altitude.

Por outro lado há também os animais marinhos que vivem em rios lagos mares rasos e profundidades abissais. Os moluscos representam um grande sucesso evolutivo, pois estão espalhados por todo o planeta em quase todos os lugares.

Principais exemplos de moluscos

Podemos citar como os principais exemplos de moluscos:

  • Polvo
  • Lula
  • Caracol
  • Marisco
  • Ostra
  • Lesma
  • Nautilus
  • Mexilhões
  • Quítons

A importância ecológica e econômica dos moluscos

Desde os tempos pré-históricos, os moluscos, principalmente polvos, lulas, mexilhões e ostras, servem de alimentos não só para seres humanos mas também outros animais.

Hoje em dia muitas espécies são criadas em cativeiros em fazendas aquáticas. No Brasil, essa prática tem crescido bastante nos últimos tempos e a comercialização desses moluscos representam grande fonte de renda.

Os moluscos não servem apenas de alimentos, mas desde há muito tempo são usados como ornamentos e sinal de status por causa de sua beleza e diversidade eles já foram até usados como moeda.

O abalone, a madrepérola, e a pérola podem se transformar em objetos bastante valiosos. No japão, por exemplo, a pérola é obtida através do cultivo de certas espécies de ostras.

Ao contrário também os moluscos podem em alguns caos criarem prejuízos econômicos  por causar estragos em pomares jardins e hortas.

Os moluscos participam de muitas teias alimentares, sejam terrestres, sejam aquáticas. Além disso, são utilizados pelos seres humanos com diferentes finalidades. Exemplos são o uso como fonte de alimento e sua atuação como bioindicadores.

Alimentação

O hábito de comer moluscos foi, inicialmente, incorporado por pessoas que habitavam as cidades litorâneas e suas proximidades. Hoje uma variedade desses animais faz parte da dieta da população humana: mexilhões, ostras, sururus, lulas, polvos, escargots e mariscos.

Atuação como bioindicadores

Bivalves e demais moluscos podem ser bioindicadores da qualidade da água. Por serem animais filtradores, poluentes presentes na água podem ficar retidos em seu corpo. Se o corpo desses animais fosse analisado, seria possível determinar a quantidade e o tipo de poluente presente no local em que eles vivem.

Moluscos que causam prejuízos

Algumas espécies de bivalves podem causar prejuízos econômicos, como é o caso do mexilhão-dourado, animal originário da China e Sudeste Asiático.

Esta espécie foi acidentalmente introduzida no Brasil, trazida na água de lastro de navios. Esse molusco se instalou na usina hidrelétrica de Itaipu, causando entupimento dos encanamentos e foi responsável pela redução em até 20% da capacidade geradora de energia da usina.

O mexilhão-dourado também é responsável por desequilíbrios ecológicos: ele mata moluscos nativos por sufocamento, pois cresce sobre eles, impedindo que respirem e se alimentem.

A redução das populações de moluscos nativos acaba afetando as teias alimentares locais, levando à redução do numero de peixes que se alimentam deles. Desta forma, a introdução desses mexilhões acabou por trazer prejuízos também à pesca.

Relações Ecológicas

Os moluscos, como outros seres vivos, também participam de associações com outras espécies.

Mutualismo

O teredo é uma espécie de molusco bivalve xilófago (do grego xylon = madeira; phagein = comer), isto é, que se alimenta de madeira. Por isso, pode danificar embarcações, diques e cais de portos. Há relatos históricos que responsabilizam esses animais pelo naufrágio de diversas embarcações, como uma da esquadra de Cristóvão Colombo, no século XV.

Nas brânquias desses animais são encontradas bactérias fixadoras de nitrogênio, as quais também produzem uma substância que digere a celulose presente na madeira. O teredo, por sua vez, fornece alimento e abrigo para essas bactérias, que, até onde se sabe atualmente, só são encontradas nesses animais.

Este é um único exemplo que se conhece da associação de um animal com uma bactéria fixadora de nitrogênio.

E aí? o que achou dessa aula sobre o Filo Mollusca? Você ainda tem dúvidas, ou alguma observação? Deixe o seu comentário.

Resumo do Filo dos Moluscos Características

  • Anatomia e fisiologia dos moluscos
  • As características evolutivas dos moluscos em relação aos outros grupos animais estudados até aqui.
  • As principais classes do Filo Mollusca e suas características.
  • Bioindicadores ambientais
  • importância dos moluscos na alimentação humana

Exercícios e atividades

Depois de ver nossa aula você é capaz de responder essas perguntas?

  1. Quais são as principais características dos moluscos?
  2. Quais são as características dos bivalves?
  3. Quais as principais características dos cefalópodes?
  4. O que são as valvas dos moluscos?
  5. Existe diferença entre filo dos molusco e filo mollusca?
  6. O que é molusco do mar?
  7. Qual é a função da concha dos moluscos?
  8. Qual a função da concha do caracol?
  9. O que fica dentro da concha?
  10. Qual a composição da concha dos moluscos?
  11. Qual é a estrutura que produz a concha dos moluscos?
  12. O que forma as conchas?
  13. O que é o manto e qual sua função?

Se você gostou do slide usado no vídeo no começo do texto você pode usá-lo por aqui.

Temos um kit com mais de 100 slides de biologia e ciências. Você pode ver os detalhes desse material Nesse Link

Leitura sugerida:

Referências Bibliográficas

  • DOS SANTOS, Juliana Cristina et al. Análise comparativa do conteúdo Filo Mollusca em livro didático e apostilas do ensino médio de Cascavel, Paraná. Ciência & Educação, v. 13, n. 3, p. 311-322, 2007. < Link >
  • OFF, CEPHALOPODS IN BOTTOM TRAWL FISHING; COAST, SOUTH BRAZILIAM. Cefalópodes costeiros capturados na pesca de arrasto do litoral sul do Brasil. Arq. Biol. Tecnol, v. 29, n. 3, p. 473-495, 1986. <Link>
  • Biology of Mollusca < Link >
  • Biologia de Campbell < Link >
  • http://www.conchasbrasil.org.br/materias/Aplacophora/default.asp

Daniel Pereira

Daniel Pereira é biólogo graduado pela Unesp e atualmente faz especialização em ensino de ciências e matemática. Professor de ciências e biologia é também o fundador do site Planeta Biologia

9 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar